sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

Último.

Oi mamães e papais.
Tudo bem?
Vim aqui desejar feliz natal e próspero ano novo e que este é o último post desse blog.
Eu tentei ser blogueira, talvez pelos motivos errados.  Eu pensei que em algum tempo eu conseguiria fazer parcerias e ganharia dinheiro e então poderia deixar meu emprego e virar mãe em tempo integral. E queria ser mãe em tempo integral. Mas precisaria conseguir dinheiro se algum modo.
Talvez seja o motivo errado, mas acho que nove entre dez blogueiras só estão nesse negócio pelo dinheiro e não para imprimir opinião sincera sobre nada.
Blogueiras não falam de política, não expõe sua religião, não procuram falar de desastres naturais (ignoraram completamente a tragédia em Mariana este ano) e, sempre que possível colocam fotos lindas em lugares fantásticos onde elas amam visitar mas jamais morariam, mesmo que sempre façam questão de dizer que as leis brasileiras são retrógradas e os impostos altos (mas blogueiras não dependem de espaço físico para "produzir conteúdo", não é?  Então tanto faz morar no terrível Brasil ou no paradisíaco Hawaii).
Por que elas não abandonam esse "caos" e vão viver num país "civilizado"????
A resposta é : dinheiro.
Eu também quis ganhar dinheiro, mas há coisas que você vê e ouve que realmente me fazem pensar se vale a pena.
Enfim, ganhei a cruel visao de que toda blogueira é apenas um produto. Não importa quão feminista ela diz ser, ela sempre vai te contar de onde é o look do dia, qual esmalte e batom está usando. Fazem isso para manter parceiros comerciais, fazem propaganda usando a si mesmas para serem mais convincentes e venderem mais e mais produtos. É assim que lucram.  E não tem nada errado em lucrar. Errado é criticar a coleguinha por não querer fazer igual. Por ter opinião diferente e não querer usar sua imagem pra vender qualquer coisa. E não importa o que elas digam, atente-se ao que elas fazem. Aos vídeos que produzem, aos posts que escrevem.
Sim, estou chateada.
Hoje uma blogueira famosa que eu amava mostrou que não é tão legal como a vemos nos vídeos e fotos. Ela me condenou no instagram  porque fiz uma simples pergunta. Acho que ela entrou no meu insta e viu que está escrito "cristã" e resolveu que eu sou uma tapada, ignorante e subestimada dona de casa. Mal sabe ela que a cristã aqui gerencia um dos maiores projetos do governo federal em atividade na Internet hoje. Sim, eu sou foda e não, eu não estou me gabando. Estou dizendo que as pessoas que se acham legais por serem a favor da liberação das drogas, aborto, casamento gay e voto nulo nunca pensam que as outras pessoas que são contra tudo isso também podem ser legais. E que não é porque eu creio em Jesus e sigo seus ensinamentos que eu sou capiau e analfabeta.
Eu sou legal. E sou cristã. E não consigo fingir que sou algo que não sou só pra vender livros.
Então, a mensagem de natal é  a seguinte: eu não sou blogueira.
Oi, eu sou a Mari. Nunca comi peixe. Sou casada há 12 anos com um advogado (eu sigo e respeito as Leis brasileiras. Até porque tem um lugar bem ruim pra quem não respeita as leis e não é o inferno: é a cadeia)
Tenho duas filhas. Trabalho pro Governo Federal. E sou cristã.
Tem horas que eu sou um porre. Tem horas que eu sou super. Tem horas que estou com sono e  eu não gosto de criticas. Mas na maioria das vezes eu só quero ser eu. Sem que alguém venha me julgar e condenar porque eu declaro em alto e bom tom que SOU CRISTÃ! (Sinceramente isso não devia ser um problema).
Mas enfim. Era isso que eu queria dizer.
Agora eu vou ali viver minha vida.
Feliz ano novo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário