domingo, 29 de novembro de 2015

Então é natal

Hoje montamos a árvore de natal em casa. Eu, sinceramente não queria começar tão cedo, mas a Malu está vendo a cidade inteira decorada e fica ansiosa pra chegada do natal, e pra dar uma diminuída em toda essa ansiedade (que não faz bem) a gente resolveu antecipar a montagem da árvore.
Foi uma diversão, porque é o primeiro natal que a Nina participa dos preparativos (ano passado ela só tinha 13 dias de vida no natal ) e ela ficou encantada com todos os enfeites e toda bolinha que a gente colocava na árvore,  ela puxava.
No final tinha umas vinte bolinhas espalhadas pelo chão.
Amo esses momentos e queria emoldura-los para ter pra sempre.
E na casa de vocês,  como se preparam para as festas de fim de ano?

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Cardápio criativo

Malu sempre foi o tipo de criança chata pra comer.  Chata mesmo! Se tiver uma salsinha no prato ela logo faz cara de nojo,  como se tivesse uma minhoca ali.
Por isso mesmo ela sempre teve intestino preso e até hoje temos sofrido com isso.
Mas com a Nina a coisa é diferente. A pequena come tudo, adora tudo e o intestino é um reloginho.
Pra incentivar a Malu a.comer verduras e legumes nós buscamos ajuda na Internet.  E temos encontrado coisas bem bacanas e não tão difíceis de aplicar em casa, como os pratinhos decorados, ora com cara de bichinhos,  ora com paisagens. E assim nossa princesa tem se alimentado um pouco melhor.
E por aí,  a garotada está dando trabalho pra comer?
Olha essa idéia de cardápio criativo que legal. Quem sabe vocês se inspiram e os seus pequenos também se empolguem?

domingo, 22 de novembro de 2015

Esgotada

Sabe aqueles dias em que não adianta dormir que o cansaço não passa? Eu estou assim. Até durmo bem. Ontem caí na cama umas 21h e só acordei hoje as 8h. Quase 12 horas de sono e quando acordei estava quebrada.
E acordar aqui em casa é uma loucura.  Nina pede mamadeira, Malu pede atenção  (pra pentear cabelo, escovar dente, colocar uniforme), maridon corre para trocar fralda, fazer lancheira,  colocar água e leite pra ferver...
Ou seja, não tem dia calmo.
Mas hoje era domingo. Não tinha lancheira, uniforme,  pressa pra nada. E mesmo assim eu me sentia exausta às 10 da manhã.
Não sei se é relexo da semana, onde passei mal, fiz uma endoscopia e fiquei zuada. Só sei que hoje eu não queria nem levantar pra ir ao banheiro.
E amanhã começa tudo denovo.

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Quarto montessoriano

Já comentei aqui que eu e maridon decidimos transformar o quarto das Marias em um quarto montessoriano. Mas eu não disse o porquê de tomarmos essa decisão.  Bem, é mais simples do que parece: Toda vez que Malu ou Nina querem um brinquedo, são obrigadas a vir até nós e pedir, já que todos os brinquedos ficam na parte alta do guarda roupa.  Até  deixa os alguns brinquedos no chão, mas não demora muito elas enjoam e querem outro. E pra deixar todos os brinquedos no chão não temos espaço por causa da cama e do berço.
Daí, pesquisando um pouquinho, descobrimos um jeito bem bacana de colocar tudo o que elas precisam ao alcance delas e ao mesmo tempo ter o espaço ampliado!
Não é caro e no Pinterest você encontra muitas fotos inspiradoras. Nós ainda estamos na fase de planejamento, mas assim que tivermos um projeto pronto eu posto aqui.  Quero compartilhar cada passo pra vocês se inspirarem também!
Por enquanto vou deixar o link da reportagem do É de casa! sobre o tema.
Bem legal.

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Montando um plano

Bom, se vamos levar esse negocio de blog a sério,  precisamos ter um plano.
Normalmente eu só escrevo aos domingos, e o resto da semana eu me dedico ao Facebook  e snapchat @maedemeninas, mas quero mudar isso. Quero trazer vocês pra cá com maior frequência.
Então meu plano é o seguinte: post 3x por semana, divididos por temas.
Por exemplo, aos domingos continuo com posts pessoais.  Como foi a minha semana e das meninas e opinião sobre algum fato que rolou na Internet.
As terças podemos falar de saúde e nutrição e as quintas temas como decoração e brincadeiras educativas para fazermos com nosso babies. o que acham?
Eu amaria poder ter vocês aqui participando dessa nova fase e contribuindo com comentários e dicas.
Eu não sou especialista em nada. Sou mãe.  E quero poder dividir minhas experiências com vocês.
Então é isso.
Próxima quinta vamos falar de brincadeiras montessorianas? Estou começando a introduzir o método montessori em casa (eu não conhecia quando a Malu nasceu) e vai ser muito bom compartilhar passo a passo com vocês essa nova etapa.
Venham comigo!

domingo, 15 de novembro de 2015

Paris. Mariana. Síria. Japão. Mundo.

Ontem ao acordar, vi no jornal a matéria dos atentados em Paris.
Chorei de tristeza.
Assim como chorei por Mariana.
Assim como chorei pelo menino morto na praia.
Assim como choro e chorarei por todas as tragédias causadas pelo ser dito humano.
E me pergunto que mundo louco é  esse em que uma empresa mata mais de 400 pessoas e até agora ninguém é penalizado? Que mundo é  esse em que,  em nome de uma religião, a pessoa se acha no direito de matar outras pessoas?
E, acima de tudo, que mundo e esse, onde as pessoas criticam umas às outras nas redes socias porque elas pedem preces para esse ou aquele lugar?
Não podemos ser tão cretinos ao ponto de achar que esse tipo de crítica cabe numa situação dessas.
Preces... pelo mundo inteiro. Por cada ser humano.  Bom ou mau. Porque os maus precisam também de nossas orações. Porque os maus não sabem que é o amor. Não sabem que o amor está acima de toda e qualquer crença. Porque não é necessário acreditar no amor, basta senti-lo. E então tudo se transforma.
Por isso, eu peço: amem seus filhos. Amem muito, muito seus filhos. Amem até na hora da bronca. Abrace,  beije, brinque junto. Faça surpresas no meio da semana. Pegue na escola, compre um chocolatinho, faça cabana de lençol  na sala. Mostre a ele que você o ama acima de tudo. Porque quem é amado não é manipulado e não encontra motivos para matar.
Amor é vida. Amor é paz.
"Agora, pois permanecem esses três : a Fé  a Esperança  e o Amor. Porém, o maior deles é o AMOR" - Corintios 1-13.

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Família unida. Mesmo?

Esse post é um desabafo. Portanto desde agora peço que não me julguem.
Helena vai completar 1 ano no dia 12 de dezembro.
Quando ela nasceu,  de cesariana as 6h30 da manhã,  eu achei que seria muito sofrido para meus pais irem acompanhar o parto. Pedi que fossem mais tarde. Meus sogros são do Maranhão e também não poderiam vir. Eu estava tranquila com minha decisão de estar somente eu e Hélio no nascimento de nossa caçula.
O que eu não contava era que, não somente não iriam ver o parto, como não iriam ficar comigo.
Minha mãe foi me visitar no hospital. Quando ia, ficava menos de 15 minutos. Tinha pressa de ir embora cuidar dos cahorros dela. Ate meu obstetra estranhava. Eu achava que ela nao gostava de hospitais, mas em casa ela so foi 1 vez e em nenhum momento se ofereceu pra ficar comigo (como toda mãe faz quando a filha acaba de parir). Ela não foi me ajudar com as duas crianças e com a casa.
Meu esposo é  autônomo, e eu agradeço a Deus todos os dias por isso. Do contrário eu estaria absolutamente só com duas crianças em casa e curtindo o puerperio.
Nunca disse à ela o quanto fiquei magoada porque eu tinha medo de que ela se magoasse comigo.
Pensando em preservar os outros, acabo de ferindo.
Mas o ano passou e eu resolvi seguir a vida adiante.
Nina vai fazer 1 ano e eu não acho necessário fazer uma festa de arromba (até porque a economia não nos permite esses deleites) e como a Malu está louca de vontade de ir no parque da Mônica e a formatura dela do pré é exatamente no dia do aniversário da irmãzinha, eu achei interessante juntar o útil ao agradável e chamar meus irmãos e pais para comemorarem com a gente o aniversário da Nina e a formatura da Malu no Parque da Mônica.
Eu sei que é caro. E também sei que meus irmãos tem condições de pagar por 1 ingresso pelo menos para seus filhos irem comemorar com a priminha. E, principalmente eu sei que meus pais podem ir.
Mas as respostas que recebi foram todas negativas.
Ou seja, ninguém vai.
E foi como se a ferida abrisse novamente. Me senti sozinha denovo.  E senti tristeza por ver que a família da Malu e da Nina sou eu e o Hélio.
Ninguém vai comemorar com a Malu a formatura dela.
Ninguém vai comemorar com a Nina o primeiro aninho dela.
Minha mãe sugeriu irmos na casa dela, no dia seguinte,  para comermos bolo e cantarmos parabéns.
Não quero comemorar no dia seguinte!  Quero cantar parabéns no dia do aniversário da minha filha. Ela merece isso!
Mas parece que eu preciso comemorar quando e onde é oportuno para os outros. Eu sempre tenho que ceder. Desde meu casamento (depois eu conto) eu estou sempre fazendo do jeito dos outros e nunca do meu jeito.
Mas eu lembrei que, anos atrás,  uma tia telefonou de Minas pra minha mãe dizendo que precisava dela porque a filha estava se divorciando e ela estava triste. Então minha mãe pegou meu pai e foi para lá.  Não importou a distância ou o preço do combustível ou do pedágio.  A tia precisava dela (elas são primas) e ela não mediu esforços para ir até lá dar seu ombro amigo.
Mas a neta fará 1 ano. Esta há 10 km de distância. E ela não vai comemorar porque o parque da Mônica é "coisa de criança "
Mas, toda festinha de aniversário também não é coisa de criança? Quer dizer que se eu fizesse uma festinha em casa ela também não iria?
Estou escrevendo com lágrimas nos olhos e uma profunda decepção.
Me perdoem por falar disso aqui,  mas é  que não posso ligar pra minha mãe pra desabafar.

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

A resposta sempre vem

Ontem eu não postei.
Passei uma semana de cão e ouvi umas merdas que ninguém merece ouvir.
Chorei tanto, mas tanto, que nem tive coragem de fazer snap.
Cheguei a conclusão de que esse negócio de blog não é  pra mim.
Mas eu vou falar uma coisa: Deus manda seus anjos falarem com você todo o tempo. Basta você prestar atenção que poderá ouvir.
Hoje eu fui olhar os vídeos das minhas blogueiras favoritas no YouTube e vi o vídeo da Evelyn Regly.
Eu já disse que a Nina adora ela, né?
Quando sobe a música de abertura a bichinha rebola que só ela (com seus 10 meses de vida) e quando a Evelyn fala CHEEEGUEEEI a pequena cai na gargalhada.
Eu adoro.
Enfim, eu comecei a ouvir a Eve e aquilo foi acertando minha alma.
Não existem coincidências.
Não foi coincidência ela falar desse assunto numa semana em que tudo estava me desistimulando.
Não acho que a Evelyn fez o vídeo pra mim (não sou tão louca a esse ponto). Mas eu acho que foram os anjos de Deus que me mostraram esse vídeo hoje.
Acreditem em mim quando eu digo e repito: Deus fala com a gente o tempo inteiro. BASTA QUERER OUVIR.

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Candidíase em bebês

Há duas noites passamos um sufoco aqui em casa. 
Nina acordou gritando, desesperada e nós não sabíamos o que era. Eu pensei em dor de ouvido, porque ela está no meio de um tratamento de otite, então corri esquentar paninhos para colocar no rostinho dela. Até que, lá pelas 4 da manhã ela se acalmou e finalmente dormiu. 
Mas como sou o tipo de mãe exagerada, logo pela manhã acordei o maridon e decretei: vamos ao médico.
Sim, ela ainda está com infecção no ouvido médio, mas a causa do choro desesperador era oura: candidíase.
Eu nem sabia que bebês podiam pegar esse fungo, mas a médica nos disse que é muito comum em meninos e meninas, principalmente quando fazem uso de antibióticos.
Medicada, voltamos para casa e eu fui googlar (lógico) e encontrei essa matéria super interessante no blog trocando Fraldas, por isso decidi compartilhar aqui no blog.

A grande maioria das mamães ao ouvir que seu bebê esta com candidíase, se assusta questionando a possibilidade já que se trata de uma doença tão conhecida em mulheres adultas. Mas sim é possível e não se apresenta somente na área genital, mas como também na boca, mas conhecida como “sapinho”.
A candidíase ou cândida albicans como é conhecida cientificamente, é uma infecção que afeta a mucosa bucal, estourando pequenas bolinhas embranquecidas no interior das bochechas, língua e céu da boca. Lesões bem doloridas que costumam dificultar a alimentação e aparecem principalmente em bebês até 2 meses de vida. Outro caso da candidíase em bebê e a mais assustadora para as mamães, é a candidíase encontrada na área genital do bebê, acometendo principalmente bebês que ainda utilizam fraldas.  Aparece como uma vermelhidão parecida com assadura, geralmente causam coceiras e pequenas bolinhas ao redor, parecidas com espinhas e não se curam com pomadas de assadura convencionais.
Esse fungo esta presente no sistema digestivo de todo ser humano e não proporciona nenhuma mal, porém ele se manifestará em algumas situações como:
  • Imunidade baixa
  • Utilização de antibióticos
  • Alterações hormonais
  • Portadores de diabetes e HIV
Como tratar a candidíase em bebês?
Podendo também ser adquirido da mãe para o bebê através da amamentação, durante a passagem vaginal no parto normal (caso a mãe esteja com candidíase vaginal) e alguns casos de candidíase em bebê, ocorrem pelo fato do fungo estar alojado nos bicos de mamadeira utilizados pela criança.
No caso de candidíase bucal ou sapinho, é aconselhada a consulta do pediatra para verificação da gravidade ou ate mesmo a confirmação. Geralmente é receitada medicação antifúngica e no caso de bebês ainda amamentados no seio, que a mãe utilize uma pomada antifúngica nos mamilos. Nos casos das mães que possuem a candidíase vaginal e tiveram parto normal, os bebês devem imediatamente ser tratados comantibióticos para que não se manifeste reações. Já nos casos dos bebês que tem essa candidíase, é aconselhado à utilização de soluções a base de violeta genciana, manter o local limpo e seco e evitar a utilização de qualquer produto que tenha essências, como por exemplo, o lenço umedecido. O aconselhado é manter o local limpo com água e sabão neutro e se possível evitar o abafamento da fralda.
A candidíase tanto oral como genital pode ser bem dolorida, mas raramente é considerado um problema grave. Só devemos ficar alertas, caso os sintomas não desapareçam em 2 semanas,  necessário que consulte o pediatra novamente, pois principalmente a candidíase oral em bebês afetam a alimentação deles, que pode ocasionar a perda de peso.

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Sem celular

Esse post, infelizmente não vai falar das meninas (que estão ótimas, Graças a Deus). Há um mês meu celular Galaxy S5 está apresentando problemas com a tela. Já mandei pra assistência 3 vezes e essa semana, denovo, deu pau. Então, esse tempo todo estou desconecada do snapchat.
Peço sinceras desculpas pela falta de atividade por lá, mas até que o celular esteja consertado, não vamos ter snaps =(