domingo, 20 de setembro de 2015

Infecção urinária

Só de ouvir essa palavra a gente treme... Malu ainda usava fraldas quando teve a primeira infecção urinária. Lembro que a enfermeira colou (literalmente) um saquinho na virilha dela e nos tivemos que esperar até que ela finalmente fizesse xixi para poder fazer a cultura.
Depois disso, todo ano passamos por isso.
Eu sempre fervo as calcinhas, passo a ferro e descarto periodicamente, faço questão de limpá-lá quando faz cocô (infelizmente na escola não estou presente para ajudá-la) e por mais que a gente ensine, tem sempre uma brecha por onde a bactéria passa.
Eu costumo dar muito cha de camomila pra ela, porque um pediatra nos ensinou que é um remédio natural, mas quase sempre ela acaba tomando antibiótico, porque a infecção não passa.
Como toda mãe eu busco informação em todos os meios possíveis (e não me envergonho de pedir conselhos e até receitinhas da avó), para ajudar minha pequena, até porque conheço muito bem esse incômodo.
Por isso decidi colar aqui esse artigo, do site ABC da Saúde para ajudar outras mamães que estão passando por esse problema.
Claro que a Internet não substitui uma consulta médica. Por favor, não deixem de levar seus pequeninos ao hospital, caso identifiquem os sintomas a seguir nos seus filhotes:

" A IU é definida pela presença de microorganismos na urina em qualquer parte do aparelho urinário. A identificação do microorganismo causador da IU é fundamental para o diagnóstico e o tratamento adequado.

Tanto nos meninos como nas meninas, o agente mais comum é a Escherichia coli, bactéria da flora intestinal, responsável por 80% a 95% dos casos de IU. Segue-se, em ordem de freqüência, estafilococo, proteus e klebisiela. Mas o trato urinário, também, pode ser atacado por vírus (adenovírus), fungos, bacilo da tuberculose.

A principal via de contaminação do trato urinário é a ascendente. A partir da flora bacteriana da região perianal, é que se dá a contaminação urinária. Somente em infecções generalizadas (septicemia) pode ocorrer que a via sangüínea seja a fonte de infecção urinária, mas isto é excepcional.

O que se sente?

Na maioria das vezes, a IU em crianças apresenta sintomas urinários iguais aos dos adultos: ardência, urgência e freqüência urinária aumentada. Mas, em muitos casos, podem surgir sintomas diferentes e a criança apresentar-se irrequieta, irritadiça, sem fome e emagrecer. Fica com medo de urinar. Algumas vezes, ocorrem sintomas digestivos com dor abdominal, náuseas, vômitos, diarréia, febre e até icterícia (amareläo). Raramente, a IU em crianças é sem sintomas, mas quando isto acontece o diagnóstico fica mais difícil de ser feito."

Nenhum comentário:

Postar um comentário