terça-feira, 11 de agosto de 2015

Virose

Tenho horror a essa palavra. Virose. E como se não dissessem nada, como se guardassem um segredo secretissimo. E você fica lá, sem saber o que fazer. A dor do filho é a sua dor. O medo, o desespero. E o médico ali, apático, distante de qualquer emoção lhe diz apenas que seu anjo tem uma virose.
Malu ficou mal essa semana. Vomitava tudo o que punha para dentro... até mesmo água.
E diarréia. A pobrezinha ficou tão mal que só queria ficar deitada, mas não conseguia dormir.
Hospital. Espera. Espera. Espera. Consulta. Exame clínico. Olha aqui, ouve ali...  Virose. O médico a mandou tomar soro pra reidratar e deu dramim pra parar o vômito.
Passamos metade do dia no hospital e voltamos pra casa com esse "diagnóstico".
Nada de remédio. Só tylenol "se dor ou febre".
Ela dormiu a tarde toda e quando acordou pediu por comida. Fiz sopa, levianha e quentinha. E ela vomitou tudo de novo.
Voltamos pro hospital. Agora uma médica. Nem esperamos muito e lá vem ela dizer que "se não teve febre, tudo bem"
Gente, como assim "tudo bem"???
Eu sempre achei que "virose" é diagnóstico de preguiçoso. Nunca ninguém fez exame de sangue, fezes ou urina pra me provar que minha filha tem virose. E vamos combinar que tanto faz ela estar vomitando ou estar tossindo. Virose serve pra tudo hoje em dia.
Hoje Malu amanheceu melhor. Comeu e não vomitou. Esta coradinha. Curou da virose ou de qualquer outra coisa que tinha.
Meu receio é sempre de que a tal virose não seja só uma virose.
Vocês acham que eu sou exagerada???

Nenhum comentário:

Postar um comentário