sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Ritual beauté

Eu adoro me cuidar. Não tem um dia que eu não faça uma maquiagem (mesmo que não vá sair de casa). Porém minha vaidade é inversamente proporcional ao meu sentimento num salão de beleza.
Explico: eu ODEIO que coloquem a mão em mim. O que a maioria das mulheres considera uma tarde no paraíso, pra mim é tortura. Gente puxando meu cabelo, arrancando bifes nos pés e mãos ou arrancando meus pelinhos sinceramente não me parece atraente.  #mejulguem Por este motivo eu faço tudo (com o maior prazer) eu mesma e em casa.
E hoje foi dia de cortar as pontas do cabelo e fazer uma poderosa hidratação... Mas ainda não consigo alcançar meus pezinhos...
Eu não quero uma pedicure... Mas acho que vou precisar de uma antes do parto.

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Parto

"Mas, Mariana, por que você vai fazer uma cesárea?"
Ai que belezinha poder responder "porque sim!" - rápido e rasteiro. Mas infelizmente já tentei e ao invés de ouvir o doce som do silêncio, em seguida ouço um discurso inflamado sobre os benefícios do parto normal natural e humanizado. E isso me incomoda, não porque eu não entenda os benefícios do parto normal humanizado, mas porque as inquisidoras não entendem (nem respeitam) a MINHA vontade.
Eu já escrevi aqui no blog que não vejo nada de normal em sentir dor e trazer um filho ao mundo debaixo de gritos desesperados. Nem acho natural ter uma cabeca passando pela sua vagina e l, sinceramente não vejo nada de humano em ter gente colocando a mão dentro de você pra medir dilatação (afinal por que ainda não inventaram um equipamento que meça isso de forma eletrônica???)  Não, eu não acho que essa é a forma mais adequada de chegar ao mundo. Mas também nunca critiquei quem escolhe esse método. Claro que se eu pensasse em parto normal ele seria regado a muita anestesia, mas (dizem) deixaria de ser natural.
Outra coisa é o termo "humanizado"... Sério, eu acho que esse termo é usado fora de contexto. Se há respeito com a parturiente e se estão fazendo o máximo para atender aos seus pedidos e deixá-lá confortável, a meu ver, até uma cesárea pode ser humanizada.
E por fim, mas não menos importante, o fator medo é sim decisivo.
Eu tenho medo da dor, tenho medo de episiotomia e tenho medo de ter dez pessoas enfiando a mão na minha vagina a cada hora pra ver a minha dilatação.
Portanto eu vou fazer outra cesárea.
Se isso não lhe deixa feliz, problema seu.
Meu corpo é problema meu e eu decido o que fazer com ele.
Estamos conversados?

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Diário de Gravidez

Estou em casa, já de licença médica, apesar de "medicamente" ainda faltarem 3 semanas para o parto. Digo medicamente porque matematicamente completei 9 meses semana passada. A gestação estava indo muito bem, até que eu machuquei o joelho. Não sei se isso desencadeou algum fator psicológico, mas depois daquele episódio as coisas começaram a ficar estranhas. A começar pelos enjôos matinais, que voltaram, passando pelo mal estar constante - que eu atribuo ao calor - e chegando ao seu ápice com o inchaço dos pés e a alteração da pressão arterial.
Eu jamais vou desencorajar uma mulher com mais de 35 a ser mãe (aliás, jamais vou desencorajar a maternidade de uma mulher adulta), até porque a medicina está aí para nos mostrar que o tempo não é nada. Mas se eu pudesse repensar quando ter um segundo filho, eu não teria esperado até os 35.
Hoje estive no obstetra e me pesei e estou com 69 kg, ou seja, desde o dia em que descobri que estava grávida, em 01 de maio até agora já ganhei 11 kg, dos quais os últimos 3 só em novembro. O médico disse que o fator "peso" pode ter sido agravado pelo inchaço, que justifica os pés ENORMES. A notícia ruim é que mesmo após o parto leva-se tempo para perder toda essa água e desinchar.
Confesso que estou cansadona, sonolenta e desejando ficar na cama o dia todo... não é desânimo, porque não vejo a hora de ver minha caçulinha, mas estou mesmo muuuuuito cansada, portanto a licença veio em boa hora.
O parto deve acontecer no dia 12/12 através de cesárea.
Não me julguem. Eu não suportaria passar pelas dores de um parto normal, bem como não acho que poderia, com a pressão alta. Entre defender uma causa e ter paz e tranquilidade na chegada da minha filha, eu fico com a segunda opção.

domingo, 23 de novembro de 2014

36 Semanas


Na gestação da Malu tive todo tipo de problema imaginável. Acho que por isso passei anos dizendo não a uma segunda gravidez. Mas agora estava tudo indo bem... Bom, estava.
De depende torci o joelho, tive perda de liquido e ontem descobri que estou com pressão alta.
Não sei se tem haver com a idade ou combo calor (Malu nasceu em julho), mas este finalzinho está me deixando muito mal. Tanto que ontem o médico decidiu me afastar do trabalho.
Só que a Nina só vai nascer em dezembro!
Enfim, estou muito inchada e totalmente indisposta, não vou mentir. Mas eu realmente não queria antecipar tanto a minha saída, pra não perder esse tempo com as meninas lá na frente.
De qualquer modo, não adianta fingir ser a mulher maravilha. Realmente não estou bem e não quero acabar provocando um parto antecipado.
As ordens medicas são: pés pra cima, muita água, drenagem linfática, cortar o sal e medir a pressão todo dia.
Vamos lá. Com Fé em Deus.

36 semanas

Na gestação da Malu tive todo tipo de problema imaginável. Acho que por isso passei anos dizendo não a uma segunda gravidez. Mas agora estava tudo indo bem... Bom, estava.
De depende torci o joelho, tive perda de liquido e ontem descobri que estou com pressão alta.
Não sei se tem haver com a idade ou combo calor (Malu nasceu em julho), mas este finalzinho está me deixando muito mal. Tanto que ontem o médico decidiu me afastar do trabalho.
Só que a Nina só vai nascer em dezembro!
Enfim, estou muito inchada e totalmente indisposta, não vou mentir. Mas eu realmente não queria antecipar tanto a minha saída, pra não perder esse tempo com as meninas lá na frente.
De qualquer modo, não adianta fingir ser a mulher maravilha. Realmente não estou bem e não quero acabar provocando um parto antecipado.
As ordens medicas são: pés pra cima, muita água, drenagem linfática, cortar o sal e medir a pressão todo dia.
Vamos lá. Com Fé em Deus.

domingo, 16 de novembro de 2014

Pensamento do dia

Aprendi a não sentir saudades de nada nem de ninguém. Lembrar dos bons momentos faz bem, mas ser saudosista é ancorar em sentimentos e situações que não voltam. Saudade traz uma dor e uma dúvida: "e se eu não tivesse seguido por este caminho? "
Eu, ao contrário, não me importo com o que deixou de ser. Vivo o que sou, na plenitude do agora. Afinal esse é o único tempo que interessa viver. O que se foi às vezes não serve nem como lembrança.

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

35 semanas e algumas novidades não tão boas

Então eu, que estou de repouso esses dias, chamo meu esposo e peço que ele pegue a mala pequena de viagem para eu arrumar nossas coisas.
Malu, curiosa como sempre, pergunta pra onde nós vamos.
- Pra maternidade.
- E precisa de mala por que?
- Oras, filha, porque eu e papai vamos passar dois dias lá - respondo com naturalidade.
Mas ela não recebe a notícia bem. Logo começa a chorar copiosamente, chega a soluçar e tanto desespero. Tudo porque, ninguém disse a ela que pra ter neném precisa dormir fora de casa - e desde que ela nasceu nós nunca dormimos longe (aliás, ela dorme em nossa cama todas as noites);
Eu também não soube como reagir, porque achei que ela já tivesse entendido que a bebê irá nascer na maternidade e que eu vou ficar internada pelo menos 2 dias lá e que o papai irá me acompanhar.
O plano inicial era que ela fosse para a casa da vovó e eu e meu marido ficássemos juntos no hospital. E ela tem razão, eu nunca disse isso pra ela. Fui tola. Achei que ela iria AMAR dormir na casa da vovó, com direito a guloseimas e televisão até tarde.
Mas ela não quis conversa. Não quer ficar sem papai e mamãe.
Agora, com esse escândalo desesperador eu já não sei mais.
Como mulher, esposa e grávida eu realmente não quero ficar sozinha na maternidade.
Mas como mãe eu entendo que minha filha mais velha não pode ficar longe dos pais, pela primeira vez na vida, numa situação dessas.
Imagine que péssima primeira impressão ela terá da irmã? O primeiro dia da sua existência na Terra, meus pais me abandonaram sozinha.
Pobre Malu...
Pobre de mim.
Faltam 3 semanas e eu realmente não estou feliz.

De repouso, entediada e consumista

Nada como tédio pra me transformar na pessoa mais consumista e invejosa do planeta.
Sim, eu não me distraio com televisão. Por isso assisto aos vídeos do youtube. O que nem sempre é bom, já que eu fico APAIXONADA por tudo que vejo.
E depois de passar a amar todas as roupas da Camila Coelho, desejar ardentemente morar no apartamento da Camilla Cabral e pintar o cabelo da mesma cor da Claudinha Stocco (quando o médico liberar, claro), agora eu quero porque quero o tapete novo da Flávia Calina...
Gente, as cores são perfeitas para a minha sala e o desenho é tão, tão bonito que eu quero um igual!
Olha isso:
Já mandei mensagem perguntando para ela o modelo e fabricante, mas acho que ela recebe tantas mensagens que não dá pra responder tudo... enfim... achei um outro site com a versão invertida dele, mas não sei se gostei tanto quanto esse...
O médico me manda ficar de repouso, já viu... saio desejando tudo que aparece!!
E ainda coloco na conta da gravidez kkkk

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Ansiedade e medo

Toda gravidez é um momento de alegria e realização. Pra mim, pelo menos. E a gente só pensa em coisas boas, como o enxoval, chá de bebê e as alegrias da maternidade. As estrias, enjôos e azia são momentos que vão passar e nosso corpo logo, logo voltará a ser como antes.
Mas a gravidez às vezes não é tão tranqüila e perfeita. E não adianta tentar se preparar para "tudo" porque tem coisas que a gente nem sabe que existe.
Então quando com 33 semanas eu comecei a perder líquido foi uma surpresa bem desagradável e assustadora. Nessa hora o google é seu pior inimigo, porque parece que só te traz más notícias.
No hospital ninguém te diz nada. As horas passam e a agonia aumenta.
Eu sou absurdamente ansiosa e não esperei. Saí do hospital e corri pro consultório se outro médico. Um que eu sabia que me contaria a verdade sem dó.
E a verdade é que está tudo bem.
Claro que recomendou repouso, nada de esforço e beber muita água. Mas também disse que minha Helena está ótima, linda r cabeluda esperando a hora certa pra vir ao mundo.
Falta pouco. Bem pouco, pra gente finalmente se ver.
Estou bem. Ela está bem. E é isso que importa.

sábado, 8 de novembro de 2014

34 semanas

Essa semana fui surpreendida com perda de líquido. Procurei meu médico que me instruiu a ir ao hospital fazer uns exames. Acontece que chegando lá deu tudo errado. Fiquei duas horas esperando atendimento, ninguém me informava nada e eu estava muito nervosa.
Quando perguntava o que acontecia as atendentes me ignoravam. Fiquei furiosa e acabei indo embora.
Não me tomem por irresponsável, pois não sou. Mas fiquei indignada pelo tratamento recebido. Ou melhor: tratamento não recebido.
Saí de lá e fui direto procurar meu antigo obstetra, que fez o parto da Malu.
Prontamente me atendeu. Me acalmou. Fez um exame simples e pediu um ultrassom.
O ultrassom vou fazer na segunda porque sinceramente não aguento outras duas horas na sala de espera de hospital, mas pelo menos fico mais tranqüila com as recomendações médicas.
Pra quem não tem ideia das consequências e mesmo causas da perda de liquido amniótico na gestação, leiam esse artigo bem esclarecedor.

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

34 semanas

Essa semana fui surpreendida com perda de líquido. Procurei meu médico que me instruiu a ir ao hospital fazer uns exames. Acontece que chegando lá deu rydo errado. Fiquei duas horas esperando atendimento, ninguém me informava nada e eu estava muito nervosa.
Quando perguntava o que acontecia as atendentes me ignoravam. Fiquei furiosa e acabei indo embora.
Não me tomem por irresponsável, pois não sou. Mas fiquei indignada pelo tratamento recebido. Ou melhor: tratamento não recebido.
Saí de lá e fui direto procurar meu antigo obstetra, que fez o parto da Malu.
Prontamente me atendeu. Me acalmou. Fez um exame simples e pediu um ultrassom.
O ultrassom vou fazer na segunda porque sinceramente não aguento outras duas horas na sala de espera de hospital, mas pelo menos fico mais tranqüila com as recomendações médicas.

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Faltam 45 dias

Se eu já sou ansiosa, pense agora que faltam exatos 45 dias para a data provável do parto.
Malas prontas. Só falta colocar a roupa de cama no berço. Vontade louca de ficar em casa não fazendo nada.
Minha Nina vai chegar em pouco mais de 1 mês e isso me deixa realmente alarmada.
Desejo o melhor nascimento para minha filha e a melhor vida possível para minhas duas filhas.
E nem vou tentar controlar a ansiedade...
Vou só curtir a barriguinha e tentar descansar.

Cheiro ruim

Um dos cheiros que mais me incomodam é o de cigarro. Na escala de fedores ele só não é pior que cheiro de bicho morto.
Dito isso, eu queria entender porque o fumante acha que ele pode sair abraçando as pessoas?
É preconceito sim, mas também é uma questão higiênica.
Estou grávida e nicotina é um veneno para qualquer ser humano, mas o fumante escolhe se envenenar. Eu não fumo, detesto esse cheiro e estando grávida fico enjoada com isso.
Mas tem um sujeito que nem é tão amigo assim e que fuma pra caramba, que toda vez que me vê tenta me abraçar.
Juro. É constrangedor.
Eu desvio, coloco o braço na frente, prendo a respiração. O cara não se toca.
Nicotina pura.
Veneno.
E eu acho que todo fumante devia manter distancia dos não fumantes.
Pode ser amigo, mas não precisa tocar. Por a mão, abraçar.
Sério gente. É nojento.