terça-feira, 30 de setembro de 2014

30 semanas

Sim, estou grávida. Cada centímetro do meu corpo grita isso a cada minuto, seja pelos pés inchados, ou a azia constante, ou o refluxo que não me permite dormir a noite. Seja pelo peso da barriga que agora sinto ou pela falta de ar constante. Sim, eu estou muuuuito grávida de quase 8 meses e a única coisa que tenho vontade de fazer é ficar na minha cama o dia inteiro.
Faltam dez semanas...

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Roupas de grávida - Outlet

Já fiz um post sobre moda gestante e seus preços exorbitantes... mas infelizmente chega uma hora que não dá mesmo pra continuar com suas roupas "normais" e daí, minha amiga, é caçar, caçar e caçar um preço que se ajuste ao seu bolso e um modelo que se adeque ao seu gosto (porque roupa de grávida normalmente tem uma modelagem de dar dó);
Eis que eu relutei muito, muito mesmo (afinal estou com 28 semanas), mas agora não dá mais... até meus vestidinhos estão ficando apertados e desconfortáveis. E na hora que precisa sair, a mamãe caia no choro... mas nesse fim de semana fui praticamente salva pela minha irmã que me apresentou uma loja ma-ra-vi-lho-sa na cidade onde ela mora: Embu das Artes, bem pertinho de São Paulo (de casa lá foi pouco mais de meia hora).
Gente, tem outlets incríveis e eu consegui comprar muuuuita roupa de gestante linda, da marca Emma Fiorezi a precinhos super camaradas.
O motivo desses preços amigos? As peças são da estação passada, ou seja, fora de linha. Pelo que me explicaram na loja, eles tem parceria com a marca (não é xing ling) e outras marcas como Hering e Levis. Eu amei a loja, mas a coisa é bem auto-serviço. Os preços estão no alto das araras, você tem que garimpar o tamanho (nem sempre você encontra o seu) mas tem muita, muita variedade.
Comprei 2 calças, 2 bermudas, 1 vestido e 2 camisetas e 1 camisola com abertura frontal (infelizmente não tinha bata) e paguei 49 no vestido, 39 em cada calça, 29 em cada bermuda, 19 em cada camiseta e 19 na camisola.
Peças sem defeito, novas e com caimento incrível.
A loja que fui se chama BBB (bom, bonito e barato). Fica na Avenida Elias Yazbek bem no centro de Embu das Artes.
Só aceita dinheiro, cheque ou Visa. Está sempre lotada e o estacionamento não é fácil, mas vale muito a pena.
Fica a dica.

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Mães de Ouro

Resolvi criar uma seção no blog para falar de mães maravilhosas que amamos e invejamos: verdadeiras mães de ouro.
E pra inaugurar essa seção, ninguém melhor que minha diva adorada, Giovanna Antonelli: mãe, atriz, musa.
E ainda mais musa depois de ter se tornado mãe.
Então, minha amiga, você que está se sentindo pra baixo, que pensa que seu corpo jamais será o mesmo, olhe para essa belezura e me diz: é linda ou não é?
Gio Antonelli, te amamos!

2010 - Grávida das gêmeas Antonia e Sofia

2013 - como delegada Helô de “Salve Jorge”

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Piadinhas com grávidas

Uma das coisas que eu nunca entendi no ser humano é o fato de haver um momento da relação em que duas pessoas se tornam tão íntimas que acham normal ofender uma a outra em tom de brincadeira.
Sério, quem disse que só porque você é meu amigo tem o direito de me chamar de gorda, rechonchuda, lua cheia e outras coisas mais - referenciado minha barriga de 7 meses de gestação.
Isso é deprimente.
Em contrapartida a gente reage sendo grosseira também. Lógico, eu preciso de preservar de algum modo!
Hoje pela manhã sai atrasada e não deu tempo de tomar café em casa, então resolvi tomar aqui na lanchonete da empresa. Estou eu lá na fila e peço um pão na chapa para viagem. O sujeito atrás de mim completa: quantas vezes você já pegou essa fila só hoje? - e cai na gargalhada sozinho, chamando a atenção de todos que estavam aguardando na fila e me constrangendo profundamente.
Eu olho para ele indignada.
Primeiro, porque não está saindo do bolso dele o que eu como;
Segundo, porque é a primeira vez que eu compro pão nessa lanchonete, já que eu sempre tomo café em casa.
Terceiro, quem deu a ele o direito de falar dessa forma comigo?
Eu não respondi, mas devia. Peguei meu pão e ia saindo quando ele segurou meu braço perguntando se eu não ia dar um beijo nele.
- To com pressa - respondi, seca.
Gente, me diz que prazer doentio pode ter um ser humano ao ver uma grávida e chamá-la de gorda, insinuando que a barriga saliente é fruto de excesso de comida?
Estou me sentindo tão ofendida!

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Me sentindo gorda

Não é bonito dizer que uma grávida está gorda, mas isso não significa que ela não se sinta assim.
No total, estou com 26 semanas e engordei 5kg, o que não é mal. Uma media de menos de 1kg por mês.
Mas estou no sexto mês de gestação e a barrigona já reina absoluta.
E não é fácil. Andar se torna lento e cansativo, assim como pequenos afazeres. E as roupas não cabem. Calças não fecham. A auto estima vai pro ralo. E aí minha amiga, não há grávida que não chore.
Já li estudos sobre isso. É uma fase mais sensível mesmo. Apesar de você estar praticamente na reta final da gravidez e já ter passado por quase todas as dificuldades, é nessa hora que o mundo inteiro te olha e realmente vê sua gravidez. Vê sua barriga. E isso sim é uma mudança rápida. Entre uma semana e outra pum!
Não tá fácil lidar com as mudanças no meu corpo e tenho receio de demorar demais e ser difícil demais voltar a ser como era antes. Sem contar em me ver assim. Parece comigo, mas não parece eu. Entende?
É... Ser mãe é confuso.

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Princesa Kate grávida denovo

Em plena época de eleições, a notícia que bombou em todos os jornais hoje foi o anúncio da segunda gestação da Duquesa Kate Middleton;
Eu confesso que achava aqueles looks de gestante dela ma-ra-vi-lho-sos e sempre pensei em copiar quando engravidasse denovo... masssssssss... a vida real é cara, meus leitores... cara.
Os vestidinhos mais fofos podem ser comprados na loja Seraphine e a boa notícia é que eles entregam no Brasil. A má notícia é que essa entrega encarece os produtos, então pense bem e faça as contas antes de se empolgar com os looks.

Eu cá estou adaptando minhas roupas de antes da gestação para agora.
A legging virou minha melhor amiga, junto com os vestidos com elástico abaixo do busto. E pro velho jeans servir, vai a dica do prendedor de cabelo dando laço entre o botão e a casa (sim, a vida é improviso). Não se esqueçam de usar uma blusa compridinha pra não mostrar o zíper aberto.

Por hoje é só.
Até.

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

25 semanas

Minha última atualização foi há muito, muito tempo atrás... vou tentar resumir tudo que aconteceu desde o último post.
Bem, nosso bebê é uma menina! (UHU!)
Vai se chamar Maria Helena, mas carinhosamente a apelidamos de Nina.
Estamos completando 25 semanas. Ela com 503 gramas, eu com 4 kg a mais.
É pouco para uma gestação de 6 meses, eu sei, mas não se engane, não estou magrinha, não.
Tem um barrigão enorme aqui e isso gera algumas dificuldades... amarrar tênis, esquece. Coisa do passado. Refluxo. Isso sim é uma constante. Azia também, já que a bebê está comprimindo meu estômago nesse exato momento. E como pula! Deus, é uma bênção!
Malu está toda feliz com a irmã, mas tem mostrado um grau de carência um pouquinho acima do normal, pede colo, coloca dedo da boca, quer dormir na nossa cama... mas eu acho que é normal, afinal até outro dia ela era o centro do nosso universo e agora tem outra criancinha no pedaço.
Procuramos comprar pouca coisa do enxoval (ainda tenho algumas peças da Malu e vamos usar) e sempre que compramos algo pra Nina, procuramos comprar para a Malu também, para não gerar competição. Mesmo assim ela tem tido uns pequenos ataques, de vez em quando.
Não comprei nada grande ainda (carrinho, banheira, bolsa...) até porque estou numa preguiça de dar dó.
Sábado vamos ver a decoração do quarto, já que as meninas vão dividir o mesmo espaço minúsculo.
Então é isso. Estou bem, firme igual gelatina. Forte como um bambu. E vamos que vamos.

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Maternidade e Trabalho

Hummm... assunto polêmico, mas eu quero muito falar sobre isso.
Vejo tantas, mas tantas mulheres sendo "mães empreendedoras" que estou apavorada com o conceito de maternidade no século XXI.
O que é ser mãe, afinal?
É continuar a faculdade, mesmo estando grávida? É fazer viagens de trabalho para cumprir suas obrigações, mesmo perdendo a primeira apresentação de ballet da sua filha no colégio? Será juntar títulos, diplomas e dinheiro (quantos mais, melhor) enquanto seu filho fica entre 8 e 12 horas por dia num colégio, ou com uma babá?
É uma crítica... possivelmente. Mas não é uma acusação, porque eu sou mãe, estou grávida e trabalho, mas não deixo de almoçar com minha filha todo santo dia e sair correndo do trabalho no final do expediente para poder ficar com ela (sim, eu troco happy hour e balada por chá de bonecas e my little pony).
Acho que esse post tem muito mais haver com sentimento de culpa ligado a uma total indefinição do que é o futuro e o sucesso.
Meus pais tiveram sucesso na vida.
Não, não são ricos, donos de propriedades e nem rodaram o mundo em viagens deliciosas e românticas.
Mas ambos nunca perderam um aniversário dos filhos, apresentação de ballet, formatura de pré... e não perdem dos netos. E é um barato ver a quantidade de fotos que tiraram ao longo dos anos e as histórias ligadas àquelas fotografias.
Muitas das mães de hoje em dia vão ver as fotos tiradas pela babá ou pela professora da escola. Não vão ter histórias para contar sobre aquelas fotos, não vão ter estado lá, porque estavam envolvidas em outras tarefas... e agora vem a pergunta: tarefas mais importantes do que serem mães?
Eu não admiro essas mulheres e até sinto pena delas.
Me pergunto "por que quiseram ter filhos se não têm o fator primordial para serem mães: tempo"
Sim, tempo é essencial.
O tempo que você passa penteando o cabelo é curto e necessário para que sua filha pegue a escova e tente te imitar diante do espelho. O tempo que você passa fazendo uma refeição mostra aos seus filhos como sentar, como pegar o talher, como é o ritual que você segue... isso é a herança que você nem percebe que deixa, mas deixa.
Mas se você não está lá, eles vão aprender com os outros e serem iguais aos outros e um dia você vai olhar para aquelas crianças, que sairam do seu ventre, mas não vai reconhecê-las.
Ser mãe é mais que pagar contas.
Aliás, ser mãe não tem nada haver com pagar contas.
Tem haver com tempo, com exemplo, com orientação.
Ser mãe não é ter "tempo de qualidade"... é ter tempo e só.
Se você não tem tempo, então faça um favor para a humanidade no futuro: não tenha filhos.
Porque eu vejo crianças mal educadas, birrentas e consumistas em todos os lugares e basta olhar para seus pais, passivos e apáticos ao lado para saber que se trata de pessoas sem tempo, que passam a semana trabalhando e delegam a educação de seus filhos para a escola, para a babá, para a avó...
Nenhuma dessas pessoas tem obrigação de dar educação às suas crianças, por isso elas não tem obrigação de serem educadas.
E os papais e mamães de fim de semana não querem se estressar, no dia de descanso, tentando educar.
É isso que eu vejo e sinto, e lamento se ofendi alguém, mas eu realmente acredito que seus títulos e diplomas podem até torná-la uma excelente profissional, mas não farão de você uma boa mãe.