segunda-feira, 30 de junho de 2014

Progesterona na gravidez

Depois de ir ao hospital e ser medicada, tive uma consulta regular com meu G.O. Lá, apresentei os dois ultrassons que tinha feito (um na emergência do hospital e o outro morfológico de primeiro trimestre) e ele disse que os dois estavam normais, e a gestação estava indo muito bem.
Fiquei aliviada, mas insisti que ainda sinto dores incômodas. Ele, então sugeriu que eu fizesse repouso absoluto durante dez dias e tomasse toda noite uma medicação chamada UTROGESTAN.
E foi aí que minhas preocupações voltaram à tona.
Nunca, jamais, nem nos momentos mais dolorosos da minha existência eu tomo um remédio sem ler a bula antes. E dessa vez não foi diferente. E eis que não fiquei nem um pouco satisfeita - só que ainda não sei se com a bula do remédio ou com o discurso do médico.
Vamos a um dos trechos iniciais:

"Utrogestan - Indicações

Distúrbios da ovulação relacionados à deficiência de progesterona, como alterações do ciclo menstrual e amenorréia secundária (ausência de menstruação). 
Insuficiência lútea (diminuição de progesterona na segunda fase do ciclo). 
Deficiência de progesterona, na pré-menopausa e na reposição hormonal da menopausa (como complemento à terapia com estrogênio). 
Por via vaginal, Utrogestan® é indicado também na implantação do embrião e manutenção da gravidez durante o primeiro trimestre"


Oras, se os ultrassons estão normais, a gestação vai bem e as dores são por causa do útero expandindo, por que ele me deu uma medicação a base de progesterona para segurar a gravidez?
Antes que me digam "porque é necessário" vou voltar à linha onde eu descrevi que ele disse que tava tudo bem.
Se tem uma coisa que eu odeio nos médicos é essa mania que eles tem de achar que nós, os pacientes, não precisamos saber o que está havendo. Abre o jogo comigo: meu bebê corre riscos? Eu corro riscos? Quais riscos? Pois além de ter dito com um sorriso que está tudo bem ele ainda não disse por quanto tempo devo(eria) tomar essa medicação... oras, será até o final da gravidez? É tão grave assim? E se é grave, por que não fala de uma vez?
Enfim... entre a decepção de não ter meu primeiro G.O nesse convênio e a frustração de ter um novo G.O que não se comunica comigo, marquei uma nova consulta com outra G.O para amanhã.
Vamos ver se agora a coisa vai.
Amanhã eu conto.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

15 semanas: Dor.

Há dias venho sentindo dores, como cólicas, que não cedem nem com buscopan.
Já procurei o hospital, fui medicada, fiquei de respouso. Os médicos disseram que é normal, pois o útero está se expandindo... mas eu já estive grávida uma vez e não me lembro de sentir essas dores.
Tudo bem, já faz cinco anos... mas será que a gente esquece a dor que sente??

Venho trabalhar todos os dias e quando a dor aperta tomo buscopan.
Hoje tenho pré natal e vou conversar direitinho com meu G.O. porque estou preocupada e absolutamente incomodada com isso.
Toda hora vou ao banheiro me certificar de que não estou sangrando... estou com muito, muito medo.

domingo, 15 de junho de 2014

3 meses

No começo da semana me senti mal, tive cólicas fortes e fui parar no PS. Fui medicada, orientada e fiz um ultrassom. O bebê está forte e o ultrassonografista disse que há grandes chances de ser menina! Fiquei super feliz, porque eu amo ser mãe de meninas.
Na quinta, estréia da Copa do Mundo e do Brasil em campo, fiz o morfológico. Graças a Deus nosso bebê é perfeito, saudável e está com 6 cm. Uma laranjinha!
Descobri que contamos a semana errado... estou com 3 meses completos. Ou seja, o bebê não vai nascer no natal e sim 1 semana antes.
FASE DA GRAVIDEZ: Com 3 meses sua cintura definitivamente some, mas sua barriguinha ainda não aparece. Hora de abandonar as calças jeans, mas ainda é muito cedo para as batas e calças de gestante. A saída mais fácil e econômica são os vestidos.
Sinceramente tenho pensado em cortar definitivamente alguns alimentos, pois me sinto gordinha mesmo e não quero ganhar muito peso nessa gestação.
O problema é que sinto fome...
Os enjoos passaram (Graças a Deus) e estou me sentindo mais disposta, apesar de sentir dores de cabeça matinais.
Enfim, minha preocupação está mesmo com o que como... estou pensando em anotar tudo num caderninho e ir excluindo os excessos aos poucos, até chegar a um cardápio ideal pra mim e para o bebê.
Vamos ver como fica...

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Peso na gravidez

Quando eu me descobri grávida pesava 56.5kg
Hoje, com 12 semanas e 5 dias de gravidez, estou com 59.7 kg.
Não estou satisfeita, porque acho que engordei demais. Eu entendo que "na média" a grávida ganha 1kg por mês, ou seja, 9kg nos nove meses, porém como já tive uma gestação sei bem que o ganho de peso mesmo vem depois do segundo semestre, o que me deixa meio apavorada.
Sinceramente morro de medo de ganhar 15, 20 kg no final da gestação como vi acontecer com muitas mulheres, famosas ou não. Até porque tenho mais de 35 anos e perder peso e manter a forma na minha idade requer um esforcinho extra, que não vou poder fazer por muito tempo.
Enfim, é vaidade, mas também é por bem-estar.
Por isso decidi dar uma enxugada no cardápio. Cortar arroz, massas e pães brancos. Investir mais em leguminosas e hortaliças e, lógico, beber mais de 2 litros de água todos os dias.
Se meu plano der certo, termino essa gestação com, no máximo, 63kg, ou seja 7kg a mais do que quando descobri a gestação. Esse cálculo não veio do nada. O bebê precisa pesar, aproximadamente 3 kg. A placenta e água retidos nela devem somar uns 3 kg também. E 1kg é de leite (aliás, depois eu falo sobre o tamanho e a dor que sinto nos seios)
Desafio lançado.
Nutricionista acompanhando.
E vamo que vamo!