sábado, 20 de dezembro de 2014

Nasceu!!

Na manha de 12 de dezembro eu recebi o meu presente de natal.
Minha Nina veio ao mundo de parto cesárea, após completar 38 semanas e 5 dias de gestação. Pesando 3.220 g e medindo 49 centímetros e com os olhos negros mais lindos que eu já vi.
E quando ela me olhou parou de chorar e a enfermeira a aconchegou sobre meu peito. Emocionada eu falei "oi meu amor" e ela fechou os olhinhos como quem diz "ah, você é a mamãe. Então vou dormir no seu colinho"
O parto foi maravilhoso. O anestesista, dr. José Márcio, um homem absurdamente atencioso. As enfermeiras e assistentes umas graças e meu G.O, como sempre me fazendo sentir em casa. Conversou comigo sobre todo o procedimento (criticou meu time #VaiCorinthians!) e atendeu a todos os meus pedidos (ar condicionado desligado, pouca luz e muito amor na sala). A assistente dele desenhou num sling o nome da minha princesa e fez um coração. Depois a pegaram e mediram. A pediatra fez os primeiros exames e me devolveu minha filha. O anestesista fez a gentileza de liberar meu braço que ficou esticado por causa da medicação intravenosa e eu pude "segurar" minha filha.
E foi emocionante.
Ela e eu, por tanto tempo vivendo num só corpo e ali, naquele momento, finalmente nos encontrando.
Ela é calma, praticamente não chora e dorme e mama muuuuito.
Ela teve ictericia nível 10 e foi liberada da fototerapia, mas recomendaram banhos diários de sol pela manhã. Ainda está com os olhinhos amarelados, mas está clareando a cada dia. Fora isso não tem nada de errado. É um bebê abençoado!
Hoje completamos a primeira semana. Já tirei os pontos e já desinchei bastante. Ela já teve a primeira consulta com pediatra (que foi horrível e depois eu falo sobre isso)
Eu estou super feliz. Minha familia agora está completa. Eu, hélio, Malu e Nina.
E Deus, que está no topo da nossa pirâmide e no altar dos nossos corações.
Sou muito abençoada e feliz!

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Lembrancinhas

Coisa mais difícil é escolher a lembrancinha da maternidade.
Primeiro porque, pra mim, lembrancinha é um objeto que vai pro lixo.
Minha avó tinha uma caixa enorme onde guardava tudo o que ganhava em todas as ocasiões, mas não vejo mais ninguém fazer isso hoje em dia. E pra ser sincera eu também não faço.
Daí dá uma Peninha gastar uma grana pra algo que vai pro lixo #sera?
Mas também dá pena não fazer. Afinal, mãe é mãe e mãe sempre guarda as lembrancinhas dos filhos.
Mas eu queria algo que fosse, no mínimo, usável.
Depois de muito quebrar a cabeça, ficamos entre docinhos finos e garrafinha de água.
Os docinhos dançaram no instante em que a temperatura subiu. Sério, tá batendo 34° lá fora!!!
A água virou a escolha mais inteligente. Fácil de transportar, servida geladinha é um bálsamo nesse calorão e as pessoas poderão reutilizar, caso desejem.
Então, sem mais delongas, eis como ficaram as minhas escolhidas:
Design by Eliane Fortes do Festa a Caminho (facebook: @festaacaminho)

domingo, 7 de dezembro de 2014

Faltam 5 dias

Se estou ansiosa? CLARO!!!
E com azia, dores nas costas e nas pernas, corrimento (incômodo e constrangedor), contrações e uma lista de coisas que ainda preciso fazer antes da Nina nascer....

sábado, 6 de dezembro de 2014

Não to bem...

Há três dias estou com diarréia. Fui ai hospital e a medica do plantão fez um exame de toque (aparentemente diarreia é um sintoma de trabalho de parto) mas o colo do útero está totalmente fechado.
Fiz exame de cardiotoque na Nina e ela está glamourosa aqui dentro. Só eu estou mal.
Tomei soro e voltei pra casa.
E tive outra noite terrível de cólica, azia e diarréia.
O dia também não está bom. São 12:00 e já fui ao banheiro umas seis vezes.
Me sinto tão cansada e indisposta...
Tomara que isso passe logo porque eu não mereço passar a última semana de gestação sofrendo.

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Uma semana antes

Faltando dez dias pro bebê nascer a gente deveria fazer o que?
Sério, gente... O que é o programa ideal para a gestante as vésperas do parto?
Eu quero fazer tudo. Limpar a casa, arrumar o berço, terminar as lembrancinhas, comprar o que eu ainda não tenho (tipo banheira). Toda noite faço planos e listas e no dia seguinte não tenho coragem de abrir a janela.
Estou tao pesada. Tão cansada. Me sentindo tão feia. Não quero ir a lugar nenhum fazer nada. Queria que todas as coisas dr que necessito aparecessem na minha porta como num passe de mágica.
Ainda faltam dez dias e eu já estou realmente exausta. Pensa quando essa menina nascer!

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Das dúvidas e certezas

Hoje, depois de receber a carta das mãos do médico para internação, chorei copiosamente.
Não de emoção pelo nascimento da minha filha.
Infelizmente não.
Chorei pela solidão que está por vir, nos momentos mais importantes e difíceis da minha nova jornada como mãe.
Vou explicar.
Quando Malu nasceu, há 5 anos, éramos só eu e meu marido e o mundo todo a ser conquistado. Ficamos 4 dias no hospital, mas não estávamos preocupados com nada. Tínhamos um ao outro e o amor maior do mundo para oferecer a nossa pequena rebenta.
Depois fomos pra casa e, infelizmente (ou felizmente) meu marido foi demitido e ficamos mais tempos ainda juntinhos, no nosso ninho.
Mesmo com certa dificuldade financeira, aquele momento foi tão importante e tão especial para nós. Estávamos aprendendo juntos. Nós dois a sermos pai e Malu a ser filha.
Em nenhum momento ninguém se ofereceu para nos ajudar. Nem minha mãe, minha irmã, minha cunhada. Ninguém que já tinha tido filho e tinha alguma experiência se ofereceu para estar conosco naquele admirável mundo novo. Mas não importava. Tínhamos um ao outro.
Agora a história se repetirá. Mas não vai ser mais o mundo lindo. Vamos nos separar.
E minhas lágrimas foram pela separação. Pela divisão. Pela falta de ajuda - ninguém se ofereceu para nos ajudar, denovo - e agora não temos mais como ficarmos juntos, porque Malu não pode ficar no hospital, portanto eu ficarei sozinha para que meu marido possa ficar com nossa mais velha em casa.
E mesmo para conseguir ter meu marido comigo durante o parto tive praticamente que implorar para que alguém ficasse com a Malu. E é uma situação tão desagradável, tão desconfortável... quase humilhante.
Sim, tenho mãe. Não, ela não se ofereceu e ainda justificou que tem o outro neto pra cuidar.
Minha filha ficou parecendo um fardo que ninguém quer ter.
Ela não é deficiente, não tem autismo (graças a Deus), nem nenhuma deficiência que dificulte ficar com ela por uns dias.
Ela é esperta, educada e muito independente.
Mas até hoje, dez dias antes do parto, nem os avós, nem os tios entraram em contato para dizer "pode deixá-la comigo".
Por isso, ao receber aquele papel uma dor terrível tomou conta de mim.
Aquele papel estava me dizendo que está chegando o dia em que minha família se dividirá em duas.
De um lado eu e Nina no hospital.
De outro, meu marido e Malu em casa.
E não, eu não estou feliz.
Porque aquele papel comprova que minha família não é uma família de verdade. Ninguém está lá pra ajudar ninguém e cada um pensa em si acima dos demais.
Minha mãe é a que mais me dói. Porque é minha mãe.
Ainda vou chorar demais até essa bebezinha nascer.
Mas tenho Fé que isso nos fortalecerá e nos unirá ainda mais.

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Ritual beauté

Eu adoro me cuidar. Não tem um dia que eu não faça uma maquiagem (mesmo que não vá sair de casa). Porém minha vaidade é inversamente proporcional ao meu sentimento num salão de beleza.
Explico: eu ODEIO que coloquem a mão em mim. O que a maioria das mulheres considera uma tarde no paraíso, pra mim é tortura. Gente puxando meu cabelo, arrancando bifes nos pés e mãos ou arrancando meus pelinhos sinceramente não me parece atraente.  #mejulguem Por este motivo eu faço tudo (com o maior prazer) eu mesma e em casa.
E hoje foi dia de cortar as pontas do cabelo e fazer uma poderosa hidratação... Mas ainda não consigo alcançar meus pezinhos...
Eu não quero uma pedicure... Mas acho que vou precisar de uma antes do parto.

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Parto

"Mas, Mariana, por que você vai fazer uma cesárea?"
Ai que belezinha poder responder "porque sim!" - rápido e rasteiro. Mas infelizmente já tentei e ao invés de ouvir o doce som do silêncio, em seguida ouço um discurso inflamado sobre os benefícios do parto normal natural e humanizado. E isso me incomoda, não porque eu não entenda os benefícios do parto normal humanizado, mas porque as inquisidoras não entendem (nem respeitam) a MINHA vontade.
Eu já escrevi aqui no blog que não vejo nada de normal em sentir dor e trazer um filho ao mundo debaixo de gritos desesperados. Nem acho natural ter uma cabeca passando pela sua vagina e l, sinceramente não vejo nada de humano em ter gente colocando a mão dentro de você pra medir dilatação (afinal por que ainda não inventaram um equipamento que meça isso de forma eletrônica???)  Não, eu não acho que essa é a forma mais adequada de chegar ao mundo. Mas também nunca critiquei quem escolhe esse método. Claro que se eu pensasse em parto normal ele seria regado a muita anestesia, mas (dizem) deixaria de ser natural.
Outra coisa é o termo "humanizado"... Sério, eu acho que esse termo é usado fora de contexto. Se há respeito com a parturiente e se estão fazendo o máximo para atender aos seus pedidos e deixá-lá confortável, a meu ver, até uma cesárea pode ser humanizada.
E por fim, mas não menos importante, o fator medo é sim decisivo.
Eu tenho medo da dor, tenho medo de episiotomia e tenho medo de ter dez pessoas enfiando a mão na minha vagina a cada hora pra ver a minha dilatação.
Portanto eu vou fazer outra cesárea.
Se isso não lhe deixa feliz, problema seu.
Meu corpo é problema meu e eu decido o que fazer com ele.
Estamos conversados?

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Diário de Gravidez

Estou em casa, já de licença médica, apesar de "medicamente" ainda faltarem 3 semanas para o parto. Digo medicamente porque matematicamente completei 9 meses semana passada. A gestação estava indo muito bem, até que eu machuquei o joelho. Não sei se isso desencadeou algum fator psicológico, mas depois daquele episódio as coisas começaram a ficar estranhas. A começar pelos enjôos matinais, que voltaram, passando pelo mal estar constante - que eu atribuo ao calor - e chegando ao seu ápice com o inchaço dos pés e a alteração da pressão arterial.
Eu jamais vou desencorajar uma mulher com mais de 35 a ser mãe (aliás, jamais vou desencorajar a maternidade de uma mulher adulta), até porque a medicina está aí para nos mostrar que o tempo não é nada. Mas se eu pudesse repensar quando ter um segundo filho, eu não teria esperado até os 35.
Hoje estive no obstetra e me pesei e estou com 69 kg, ou seja, desde o dia em que descobri que estava grávida, em 01 de maio até agora já ganhei 11 kg, dos quais os últimos 3 só em novembro. O médico disse que o fator "peso" pode ter sido agravado pelo inchaço, que justifica os pés ENORMES. A notícia ruim é que mesmo após o parto leva-se tempo para perder toda essa água e desinchar.
Confesso que estou cansadona, sonolenta e desejando ficar na cama o dia todo... não é desânimo, porque não vejo a hora de ver minha caçulinha, mas estou mesmo muuuuuito cansada, portanto a licença veio em boa hora.
O parto deve acontecer no dia 12/12 através de cesárea.
Não me julguem. Eu não suportaria passar pelas dores de um parto normal, bem como não acho que poderia, com a pressão alta. Entre defender uma causa e ter paz e tranquilidade na chegada da minha filha, eu fico com a segunda opção.

domingo, 23 de novembro de 2014

36 Semanas


Na gestação da Malu tive todo tipo de problema imaginável. Acho que por isso passei anos dizendo não a uma segunda gravidez. Mas agora estava tudo indo bem... Bom, estava.
De depende torci o joelho, tive perda de liquido e ontem descobri que estou com pressão alta.
Não sei se tem haver com a idade ou combo calor (Malu nasceu em julho), mas este finalzinho está me deixando muito mal. Tanto que ontem o médico decidiu me afastar do trabalho.
Só que a Nina só vai nascer em dezembro!
Enfim, estou muito inchada e totalmente indisposta, não vou mentir. Mas eu realmente não queria antecipar tanto a minha saída, pra não perder esse tempo com as meninas lá na frente.
De qualquer modo, não adianta fingir ser a mulher maravilha. Realmente não estou bem e não quero acabar provocando um parto antecipado.
As ordens medicas são: pés pra cima, muita água, drenagem linfática, cortar o sal e medir a pressão todo dia.
Vamos lá. Com Fé em Deus.

36 semanas

Na gestação da Malu tive todo tipo de problema imaginável. Acho que por isso passei anos dizendo não a uma segunda gravidez. Mas agora estava tudo indo bem... Bom, estava.
De depende torci o joelho, tive perda de liquido e ontem descobri que estou com pressão alta.
Não sei se tem haver com a idade ou combo calor (Malu nasceu em julho), mas este finalzinho está me deixando muito mal. Tanto que ontem o médico decidiu me afastar do trabalho.
Só que a Nina só vai nascer em dezembro!
Enfim, estou muito inchada e totalmente indisposta, não vou mentir. Mas eu realmente não queria antecipar tanto a minha saída, pra não perder esse tempo com as meninas lá na frente.
De qualquer modo, não adianta fingir ser a mulher maravilha. Realmente não estou bem e não quero acabar provocando um parto antecipado.
As ordens medicas são: pés pra cima, muita água, drenagem linfática, cortar o sal e medir a pressão todo dia.
Vamos lá. Com Fé em Deus.

domingo, 16 de novembro de 2014

Pensamento do dia

Aprendi a não sentir saudades de nada nem de ninguém. Lembrar dos bons momentos faz bem, mas ser saudosista é ancorar em sentimentos e situações que não voltam. Saudade traz uma dor e uma dúvida: "e se eu não tivesse seguido por este caminho? "
Eu, ao contrário, não me importo com o que deixou de ser. Vivo o que sou, na plenitude do agora. Afinal esse é o único tempo que interessa viver. O que se foi às vezes não serve nem como lembrança.

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

35 semanas e algumas novidades não tão boas

Então eu, que estou de repouso esses dias, chamo meu esposo e peço que ele pegue a mala pequena de viagem para eu arrumar nossas coisas.
Malu, curiosa como sempre, pergunta pra onde nós vamos.
- Pra maternidade.
- E precisa de mala por que?
- Oras, filha, porque eu e papai vamos passar dois dias lá - respondo com naturalidade.
Mas ela não recebe a notícia bem. Logo começa a chorar copiosamente, chega a soluçar e tanto desespero. Tudo porque, ninguém disse a ela que pra ter neném precisa dormir fora de casa - e desde que ela nasceu nós nunca dormimos longe (aliás, ela dorme em nossa cama todas as noites);
Eu também não soube como reagir, porque achei que ela já tivesse entendido que a bebê irá nascer na maternidade e que eu vou ficar internada pelo menos 2 dias lá e que o papai irá me acompanhar.
O plano inicial era que ela fosse para a casa da vovó e eu e meu marido ficássemos juntos no hospital. E ela tem razão, eu nunca disse isso pra ela. Fui tola. Achei que ela iria AMAR dormir na casa da vovó, com direito a guloseimas e televisão até tarde.
Mas ela não quis conversa. Não quer ficar sem papai e mamãe.
Agora, com esse escândalo desesperador eu já não sei mais.
Como mulher, esposa e grávida eu realmente não quero ficar sozinha na maternidade.
Mas como mãe eu entendo que minha filha mais velha não pode ficar longe dos pais, pela primeira vez na vida, numa situação dessas.
Imagine que péssima primeira impressão ela terá da irmã? O primeiro dia da sua existência na Terra, meus pais me abandonaram sozinha.
Pobre Malu...
Pobre de mim.
Faltam 3 semanas e eu realmente não estou feliz.

De repouso, entediada e consumista

Nada como tédio pra me transformar na pessoa mais consumista e invejosa do planeta.
Sim, eu não me distraio com televisão. Por isso assisto aos vídeos do youtube. O que nem sempre é bom, já que eu fico APAIXONADA por tudo que vejo.
E depois de passar a amar todas as roupas da Camila Coelho, desejar ardentemente morar no apartamento da Camilla Cabral e pintar o cabelo da mesma cor da Claudinha Stocco (quando o médico liberar, claro), agora eu quero porque quero o tapete novo da Flávia Calina...
Gente, as cores são perfeitas para a minha sala e o desenho é tão, tão bonito que eu quero um igual!
Olha isso:
Já mandei mensagem perguntando para ela o modelo e fabricante, mas acho que ela recebe tantas mensagens que não dá pra responder tudo... enfim... achei um outro site com a versão invertida dele, mas não sei se gostei tanto quanto esse...
O médico me manda ficar de repouso, já viu... saio desejando tudo que aparece!!
E ainda coloco na conta da gravidez kkkk

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Ansiedade e medo

Toda gravidez é um momento de alegria e realização. Pra mim, pelo menos. E a gente só pensa em coisas boas, como o enxoval, chá de bebê e as alegrias da maternidade. As estrias, enjôos e azia são momentos que vão passar e nosso corpo logo, logo voltará a ser como antes.
Mas a gravidez às vezes não é tão tranqüila e perfeita. E não adianta tentar se preparar para "tudo" porque tem coisas que a gente nem sabe que existe.
Então quando com 33 semanas eu comecei a perder líquido foi uma surpresa bem desagradável e assustadora. Nessa hora o google é seu pior inimigo, porque parece que só te traz más notícias.
No hospital ninguém te diz nada. As horas passam e a agonia aumenta.
Eu sou absurdamente ansiosa e não esperei. Saí do hospital e corri pro consultório se outro médico. Um que eu sabia que me contaria a verdade sem dó.
E a verdade é que está tudo bem.
Claro que recomendou repouso, nada de esforço e beber muita água. Mas também disse que minha Helena está ótima, linda r cabeluda esperando a hora certa pra vir ao mundo.
Falta pouco. Bem pouco, pra gente finalmente se ver.
Estou bem. Ela está bem. E é isso que importa.

sábado, 8 de novembro de 2014

34 semanas

Essa semana fui surpreendida com perda de líquido. Procurei meu médico que me instruiu a ir ao hospital fazer uns exames. Acontece que chegando lá deu tudo errado. Fiquei duas horas esperando atendimento, ninguém me informava nada e eu estava muito nervosa.
Quando perguntava o que acontecia as atendentes me ignoravam. Fiquei furiosa e acabei indo embora.
Não me tomem por irresponsável, pois não sou. Mas fiquei indignada pelo tratamento recebido. Ou melhor: tratamento não recebido.
Saí de lá e fui direto procurar meu antigo obstetra, que fez o parto da Malu.
Prontamente me atendeu. Me acalmou. Fez um exame simples e pediu um ultrassom.
O ultrassom vou fazer na segunda porque sinceramente não aguento outras duas horas na sala de espera de hospital, mas pelo menos fico mais tranqüila com as recomendações médicas.
Pra quem não tem ideia das consequências e mesmo causas da perda de liquido amniótico na gestação, leiam esse artigo bem esclarecedor.

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

34 semanas

Essa semana fui surpreendida com perda de líquido. Procurei meu médico que me instruiu a ir ao hospital fazer uns exames. Acontece que chegando lá deu rydo errado. Fiquei duas horas esperando atendimento, ninguém me informava nada e eu estava muito nervosa.
Quando perguntava o que acontecia as atendentes me ignoravam. Fiquei furiosa e acabei indo embora.
Não me tomem por irresponsável, pois não sou. Mas fiquei indignada pelo tratamento recebido. Ou melhor: tratamento não recebido.
Saí de lá e fui direto procurar meu antigo obstetra, que fez o parto da Malu.
Prontamente me atendeu. Me acalmou. Fez um exame simples e pediu um ultrassom.
O ultrassom vou fazer na segunda porque sinceramente não aguento outras duas horas na sala de espera de hospital, mas pelo menos fico mais tranqüila com as recomendações médicas.

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Faltam 45 dias

Se eu já sou ansiosa, pense agora que faltam exatos 45 dias para a data provável do parto.
Malas prontas. Só falta colocar a roupa de cama no berço. Vontade louca de ficar em casa não fazendo nada.
Minha Nina vai chegar em pouco mais de 1 mês e isso me deixa realmente alarmada.
Desejo o melhor nascimento para minha filha e a melhor vida possível para minhas duas filhas.
E nem vou tentar controlar a ansiedade...
Vou só curtir a barriguinha e tentar descansar.

Cheiro ruim

Um dos cheiros que mais me incomodam é o de cigarro. Na escala de fedores ele só não é pior que cheiro de bicho morto.
Dito isso, eu queria entender porque o fumante acha que ele pode sair abraçando as pessoas?
É preconceito sim, mas também é uma questão higiênica.
Estou grávida e nicotina é um veneno para qualquer ser humano, mas o fumante escolhe se envenenar. Eu não fumo, detesto esse cheiro e estando grávida fico enjoada com isso.
Mas tem um sujeito que nem é tão amigo assim e que fuma pra caramba, que toda vez que me vê tenta me abraçar.
Juro. É constrangedor.
Eu desvio, coloco o braço na frente, prendo a respiração. O cara não se toca.
Nicotina pura.
Veneno.
E eu acho que todo fumante devia manter distancia dos não fumantes.
Pode ser amigo, mas não precisa tocar. Por a mão, abraçar.
Sério gente. É nojento.

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Dor.

Estou tentando ignorar as dores que tenho sentido há alguns dias, mas as danadas resolveram apelar.
Agora não só dói quando me levanto, como a dor persiste enquanto eu ando. E dói muito!! Cada passo uma pontada.
Ontem a noite foi pior. Além de não ter posição para dormir eu acabei espirrando e senti como se minha barriga rasgasse, como se levasse uma facada.
A dor a qual me refiro é assim: parecem pontadas fortes embaixo da barriga, na altura da pélvis e empurra para baixo... empurra forte. A barriga fica dura e eu tenho nítida sensação de que estou tendo contrações.
Antes que me mandem ir ao médico eu já planejei essa visitinha para amanhã.
Eu não acho que esteja em trabalho de parto prematuro, mas as dores incomodam demais e eu vou tentar pedir uns dias de repouso pro meu amado médico.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Do parto.

Com 33 semanas já está tudo arrumadinho pra Nina nascer. Mala de maternidade, quarto decorado, mala da mamãe e instruções de quem fica com Malu, quem fica comigo.
Não vai ser uma surpresa, porque eu simplesmente não quero parto normal.
Sério, respeito quem quer, quem faz, mas não é pra mim. Além de eu não suportar sentir dor, ainda acho nojento enfermeiras enfiando a mão na sua vagina, dez pessoas olhando você de pernas abertas ou simplesmente ficar de cócoras como se fosse "cagar" ao invés de parir.
Me condenem. Não ligo. Da minha vagina cuido eu. E das minhas filha também.
Acho criminoso uma mulher (ou uma legião) hoje em dia sair a caça ás bruxas contra as mulheres que optam por cesárea.
Vem cá, você vai pagar? O corte vai ser em você? Os desconfortos serão seus? Vai criar meus filhos? Então me deixa que eu sou legalmente capacitada para fazer minhas escolhas.
Sem contar que tem um monte (monte meeeeesmo) de mulher que tem parto "natural" num banheiro qualquer, enrola a criança num pano ou enfia num saco e joga no lixo. Ou seja: o parto não define o tipo de mãe que você será.


sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Amargura

Engraçado como tenho ouvido a frase "aproveita, porque depois que cresce tudo muda"
É mais que um conselho. É quase um decreto. É como se essas mulheres tivessem se frustrassem com o restado da educação que deram aos filhos e realmente desejassem que outras mães se frustram também.
Eu trouxe Malu várias vezes pro trabalho e todos percebem nosso relacionamento. Somos amigas. Eu e ela temos momentos ruins, mas normalmente estamos de acordo. Ela me compreende. Eu a compreendo.
Então tem sempre alguem dizendo: isso muda. Quando adolescente ela vai te odiar.
E eu não entendo porque as pessoas insistem em dizer coisas desse tipo, ao invés de desejarem felicidades às familias.
Eu tenho conscinencia que estou criando um ser humano que pode vir a ter opiniões totalmente diferentes das minhas. Porém pretendo fazer com minhas filhas o mesmo que meus pais fizeram comigo. Eu tenho 35 anos e tenho muito respeito pelos meus pais.
Trocando em miúdos: respeito meus pais e sei que minhas filhas irão me respeitar.
Discordar é natural. Mas o que essas pessoas dizem é como se fosse um desejo de que dê errado pra mim tanto quanto deu errado para elas.
Isso é amargura. Infelicidade. Frustração.
E eu lamento por elas, mas vou cuidar direitinho da minha vida pra que tudo seja como eu sonhei.

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

32 semanas

Tecnicamente estou grávida de 8 meses. Digo, tecnicamente porque pelas contas médicas um bebê pode nascer de 40 semanas que, matematicamente são 10 meses.
Mas, vamos lá... Me pensei hoje e ganhei 8,5kg. Qualquer pessoa se sentiria nas nuvens, pois praticamente ganhei 1kg por mês, mas estou um pouco chateada. Meus planos eram se terminar a gestação com 7kg... Acho que já disse isso, mas agora está se aproximando o dia do parto e eu realmente acho que há possibilidade de chegar aos temidos 10 kg até lá.
Apesar do médico decretar que eu vou parir até 19/12 eu sinto que não... Que minha Nina virá antes do dia 15/12. Sargitariana. E se Deus quiser, cheia de saúde.
Por enquanto é isso... Até a próxima.

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Acidentes

Na quinta passada sofri um pequeno acidente ao tentar retirar meu sobrinho de 2 anos da cadeirinha do carro. Torcida o joelho e acabei ficando de molho até hoje.
Graças a Deus não foi nada mais grave, mas fiquei hiper preocupada, afinal a última coisa que uma gravida quer é ficar imobilizada.
Enfim, essa é uma fotinho que tirei da minha situação.
Agora estou bem e amanhã volto ao trabalho.
32 semanas e vamo que vamo!

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Meu novo corpo e novas sensações

Quando me olho de costas no espelho eu vejo exatamente a mim, como sempre fui. Até cintura tenho. Mas quando me vejo de frente há uma barriga tao imensa que me dá medo.
Estou na semana 32... Tão, tão cansada. Não sei se por causa dos quase 8kg a mais ou por causa do calor terrível (36° hoje), mas não tenho vontade de nada. Nem de levantar. E se estou de pé não tenho ânimo pra sentar. Vai entender.
A dor na virilha aumenta e é constante. Tento me movimentar pra amenizar a dor, encontrar uma posição mais confortável, mas nada funciona. A dor me persegue.
Tenho desejos secretos de que o médico me afaste do trabalho só pra eu poder dormir ate às 11h todos os dias.
Não quero antecipar parto, nem nada disso. Nina deve chegar perto do natal e eu vou esperar. Mas não significa que estou me sentindo maravilhosa, porque não estou.
Morrendo de medo das estrias, de ganhar mais peso nessas ultimas semanas e não conseguir eliminar tudo no pós parto. Medo de coisas bobas e vaidosas. Não me julguem. Tenho 35 anos, minha elasticidade não é a mesma se quando Malu nasceu.
Por falar em Malu, volta e meia dá uma regredida básica. Até chupeta já pediu. O dedo não tira da boca e só dorme na nossa cama.
A gente não sabe lidar com isso e é compreensível que ela aja dessa forma. Pra nós também é estranho ter um novo bebê depois de tantos anos.
Enfim...
Vamos contar mais 8 semanas... Só espero que São Pedro seja bonzinho e mande chuva e amenize o calor.

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Ciúmes

Passei 4 anos ouvindo minha filha pedir uma irmã (tinha que ser irmã! Irmão não servia).
E passei 4 anos inventando desculpas para negar o pedido.
Até que em agosto do ano passado decidimos tentar denovo. Fui no meu médico e tirei o DIU. Depois foi só tentar e esperar, tentar e esperar, tentar e... em março desse ano finalmente aconteceu.
Ainda lembro a carinha dela quando eu e o pai sentamos ao seu lado e dissemos: "você vai ter um irmãozinho"... Malu, do alto de seus quase 5 anos desacreditou: "vocês estão brincando, né?"
Achei engraçadinho, mas compreensível. Afinal, passamos anos dizendo não ao pedido dela, nada mais natural que duvidar.
E ela só acreditou quando a levamos no primeiro ultrassom e ela ouviu o coraçãozinho do bebê.
Sim, ela acabara de ser promovida a irmã mais velha.
E daí começaram os mimos: "Mamãe, deixa que eu faço isso pra você. Você está grávida!"
As pessoas me perguntavam sobre ciúme e algumas, maldosas, até tentavam provocar isso na Malu dizendo que ela perderia o posto de princesinha da casa. Eu sempre deixei minha filha confiante de que ela jamais perderia nada, pelo contrário, ganharia um amigo, um companheiro para toda vida.
Quando soubemos que seria outra menina ela fez festa. Amou a ideia. Era um sonho que se realizava.
Mas na última semana tenho notado um certo ciuminho crescendo no coração da minha pequena... um dia eu vi o quarto todo desarrumado (e lá em casa não tem dessas...) e mandei ela desligar a televisão e arrumar aquela bagunça... foi então que, com cara de brava e batendo o pé ela desligou a tv e seguiu pelo corredor rumo ao quarto, resmungando: "quando a neném nascer eu vou embora"
Aquilo cortou meu coração... abaixei na altura dela e perguntei porque ela disse aquilo e ela deu com os ombros.
"Quando você tiver um novo neném eu sei que você vai me mandar embora"
Claro que eu conversei com ela, expliquei que isso jamais aconteceria e que o bebê não viria roubar o lugar dela. Expliquei também que não é porque ela se sentia assim que estaria desobrigada das tarefas. A vida era a mesma, só que com um bebê.
Mas ela repetiu, em outras ocasiões, a mesma coisa.
Toda vez que leva uma bronca, ela repete o mantra de que vamos mandá-la embora porque ela é desobediente.
E eu não sei mais o que fazer para mostrar para minha filhota que ela não precisa se preocupar.
Se alguém passou por isso, me ajuda, porque me parte o coração ver minha filha dizer isso.

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Ganho de peso

Obviamente toda gestante ganha peso ao longo da gravidez. E, segundo a maioria dos médicos, o ganho ideal está entre 9 e 12 kg, mas minha meta sempre foi 7 kg para essa gestação.
Acontece que estou com 30 semanas e ao me pesar hoje descobri que já ganhei 7,3kg. Ou seja, ultrapassei a meta e ainda faltam 10 semanas.
Por isso estou me auto desafiando a manter esse ganho.
Podem me chamar de louca, mas eu não acredito mesmo que se ganhar mais peso será melhor. Alem de não representar necessariamente ganho de peso do bebê, o aumento de gordura ainda pode ser um problema na hora do parto.
Então é isso.
Começo a usar um aplicativo de controle de peso amanhã.
O objetivo é manter o ganho de peso em 7kg, me alimentando de vegetais, frutas r carnes magras, além de cereais e frutos secos que auxiliem no transito intestinal.
Semana que vem me peso denovo e conto o que comi.
Aliás, o peso de hoje foi 63,8kg.
Até segunda que vem!

terça-feira, 30 de setembro de 2014

30 semanas

Sim, estou grávida. Cada centímetro do meu corpo grita isso a cada minuto, seja pelos pés inchados, ou a azia constante, ou o refluxo que não me permite dormir a noite. Seja pelo peso da barriga que agora sinto ou pela falta de ar constante. Sim, eu estou muuuuito grávida de quase 8 meses e a única coisa que tenho vontade de fazer é ficar na minha cama o dia inteiro.
Faltam dez semanas...

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Roupas de grávida - Outlet

Já fiz um post sobre moda gestante e seus preços exorbitantes... mas infelizmente chega uma hora que não dá mesmo pra continuar com suas roupas "normais" e daí, minha amiga, é caçar, caçar e caçar um preço que se ajuste ao seu bolso e um modelo que se adeque ao seu gosto (porque roupa de grávida normalmente tem uma modelagem de dar dó);
Eis que eu relutei muito, muito mesmo (afinal estou com 28 semanas), mas agora não dá mais... até meus vestidinhos estão ficando apertados e desconfortáveis. E na hora que precisa sair, a mamãe caia no choro... mas nesse fim de semana fui praticamente salva pela minha irmã que me apresentou uma loja ma-ra-vi-lho-sa na cidade onde ela mora: Embu das Artes, bem pertinho de São Paulo (de casa lá foi pouco mais de meia hora).
Gente, tem outlets incríveis e eu consegui comprar muuuuita roupa de gestante linda, da marca Emma Fiorezi a precinhos super camaradas.
O motivo desses preços amigos? As peças são da estação passada, ou seja, fora de linha. Pelo que me explicaram na loja, eles tem parceria com a marca (não é xing ling) e outras marcas como Hering e Levis. Eu amei a loja, mas a coisa é bem auto-serviço. Os preços estão no alto das araras, você tem que garimpar o tamanho (nem sempre você encontra o seu) mas tem muita, muita variedade.
Comprei 2 calças, 2 bermudas, 1 vestido e 2 camisetas e 1 camisola com abertura frontal (infelizmente não tinha bata) e paguei 49 no vestido, 39 em cada calça, 29 em cada bermuda, 19 em cada camiseta e 19 na camisola.
Peças sem defeito, novas e com caimento incrível.
A loja que fui se chama BBB (bom, bonito e barato). Fica na Avenida Elias Yazbek bem no centro de Embu das Artes.
Só aceita dinheiro, cheque ou Visa. Está sempre lotada e o estacionamento não é fácil, mas vale muito a pena.
Fica a dica.

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Mães de Ouro

Resolvi criar uma seção no blog para falar de mães maravilhosas que amamos e invejamos: verdadeiras mães de ouro.
E pra inaugurar essa seção, ninguém melhor que minha diva adorada, Giovanna Antonelli: mãe, atriz, musa.
E ainda mais musa depois de ter se tornado mãe.
Então, minha amiga, você que está se sentindo pra baixo, que pensa que seu corpo jamais será o mesmo, olhe para essa belezura e me diz: é linda ou não é?
Gio Antonelli, te amamos!

2010 - Grávida das gêmeas Antonia e Sofia

2013 - como delegada Helô de “Salve Jorge”

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Piadinhas com grávidas

Uma das coisas que eu nunca entendi no ser humano é o fato de haver um momento da relação em que duas pessoas se tornam tão íntimas que acham normal ofender uma a outra em tom de brincadeira.
Sério, quem disse que só porque você é meu amigo tem o direito de me chamar de gorda, rechonchuda, lua cheia e outras coisas mais - referenciado minha barriga de 7 meses de gestação.
Isso é deprimente.
Em contrapartida a gente reage sendo grosseira também. Lógico, eu preciso de preservar de algum modo!
Hoje pela manhã sai atrasada e não deu tempo de tomar café em casa, então resolvi tomar aqui na lanchonete da empresa. Estou eu lá na fila e peço um pão na chapa para viagem. O sujeito atrás de mim completa: quantas vezes você já pegou essa fila só hoje? - e cai na gargalhada sozinho, chamando a atenção de todos que estavam aguardando na fila e me constrangendo profundamente.
Eu olho para ele indignada.
Primeiro, porque não está saindo do bolso dele o que eu como;
Segundo, porque é a primeira vez que eu compro pão nessa lanchonete, já que eu sempre tomo café em casa.
Terceiro, quem deu a ele o direito de falar dessa forma comigo?
Eu não respondi, mas devia. Peguei meu pão e ia saindo quando ele segurou meu braço perguntando se eu não ia dar um beijo nele.
- To com pressa - respondi, seca.
Gente, me diz que prazer doentio pode ter um ser humano ao ver uma grávida e chamá-la de gorda, insinuando que a barriga saliente é fruto de excesso de comida?
Estou me sentindo tão ofendida!

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Me sentindo gorda

Não é bonito dizer que uma grávida está gorda, mas isso não significa que ela não se sinta assim.
No total, estou com 26 semanas e engordei 5kg, o que não é mal. Uma media de menos de 1kg por mês.
Mas estou no sexto mês de gestação e a barrigona já reina absoluta.
E não é fácil. Andar se torna lento e cansativo, assim como pequenos afazeres. E as roupas não cabem. Calças não fecham. A auto estima vai pro ralo. E aí minha amiga, não há grávida que não chore.
Já li estudos sobre isso. É uma fase mais sensível mesmo. Apesar de você estar praticamente na reta final da gravidez e já ter passado por quase todas as dificuldades, é nessa hora que o mundo inteiro te olha e realmente vê sua gravidez. Vê sua barriga. E isso sim é uma mudança rápida. Entre uma semana e outra pum!
Não tá fácil lidar com as mudanças no meu corpo e tenho receio de demorar demais e ser difícil demais voltar a ser como era antes. Sem contar em me ver assim. Parece comigo, mas não parece eu. Entende?
É... Ser mãe é confuso.

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Princesa Kate grávida denovo

Em plena época de eleições, a notícia que bombou em todos os jornais hoje foi o anúncio da segunda gestação da Duquesa Kate Middleton;
Eu confesso que achava aqueles looks de gestante dela ma-ra-vi-lho-sos e sempre pensei em copiar quando engravidasse denovo... masssssssss... a vida real é cara, meus leitores... cara.
Os vestidinhos mais fofos podem ser comprados na loja Seraphine e a boa notícia é que eles entregam no Brasil. A má notícia é que essa entrega encarece os produtos, então pense bem e faça as contas antes de se empolgar com os looks.

Eu cá estou adaptando minhas roupas de antes da gestação para agora.
A legging virou minha melhor amiga, junto com os vestidos com elástico abaixo do busto. E pro velho jeans servir, vai a dica do prendedor de cabelo dando laço entre o botão e a casa (sim, a vida é improviso). Não se esqueçam de usar uma blusa compridinha pra não mostrar o zíper aberto.

Por hoje é só.
Até.

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

25 semanas

Minha última atualização foi há muito, muito tempo atrás... vou tentar resumir tudo que aconteceu desde o último post.
Bem, nosso bebê é uma menina! (UHU!)
Vai se chamar Maria Helena, mas carinhosamente a apelidamos de Nina.
Estamos completando 25 semanas. Ela com 503 gramas, eu com 4 kg a mais.
É pouco para uma gestação de 6 meses, eu sei, mas não se engane, não estou magrinha, não.
Tem um barrigão enorme aqui e isso gera algumas dificuldades... amarrar tênis, esquece. Coisa do passado. Refluxo. Isso sim é uma constante. Azia também, já que a bebê está comprimindo meu estômago nesse exato momento. E como pula! Deus, é uma bênção!
Malu está toda feliz com a irmã, mas tem mostrado um grau de carência um pouquinho acima do normal, pede colo, coloca dedo da boca, quer dormir na nossa cama... mas eu acho que é normal, afinal até outro dia ela era o centro do nosso universo e agora tem outra criancinha no pedaço.
Procuramos comprar pouca coisa do enxoval (ainda tenho algumas peças da Malu e vamos usar) e sempre que compramos algo pra Nina, procuramos comprar para a Malu também, para não gerar competição. Mesmo assim ela tem tido uns pequenos ataques, de vez em quando.
Não comprei nada grande ainda (carrinho, banheira, bolsa...) até porque estou numa preguiça de dar dó.
Sábado vamos ver a decoração do quarto, já que as meninas vão dividir o mesmo espaço minúsculo.
Então é isso. Estou bem, firme igual gelatina. Forte como um bambu. E vamos que vamos.

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Maternidade e Trabalho

Hummm... assunto polêmico, mas eu quero muito falar sobre isso.
Vejo tantas, mas tantas mulheres sendo "mães empreendedoras" que estou apavorada com o conceito de maternidade no século XXI.
O que é ser mãe, afinal?
É continuar a faculdade, mesmo estando grávida? É fazer viagens de trabalho para cumprir suas obrigações, mesmo perdendo a primeira apresentação de ballet da sua filha no colégio? Será juntar títulos, diplomas e dinheiro (quantos mais, melhor) enquanto seu filho fica entre 8 e 12 horas por dia num colégio, ou com uma babá?
É uma crítica... possivelmente. Mas não é uma acusação, porque eu sou mãe, estou grávida e trabalho, mas não deixo de almoçar com minha filha todo santo dia e sair correndo do trabalho no final do expediente para poder ficar com ela (sim, eu troco happy hour e balada por chá de bonecas e my little pony).
Acho que esse post tem muito mais haver com sentimento de culpa ligado a uma total indefinição do que é o futuro e o sucesso.
Meus pais tiveram sucesso na vida.
Não, não são ricos, donos de propriedades e nem rodaram o mundo em viagens deliciosas e românticas.
Mas ambos nunca perderam um aniversário dos filhos, apresentação de ballet, formatura de pré... e não perdem dos netos. E é um barato ver a quantidade de fotos que tiraram ao longo dos anos e as histórias ligadas àquelas fotografias.
Muitas das mães de hoje em dia vão ver as fotos tiradas pela babá ou pela professora da escola. Não vão ter histórias para contar sobre aquelas fotos, não vão ter estado lá, porque estavam envolvidas em outras tarefas... e agora vem a pergunta: tarefas mais importantes do que serem mães?
Eu não admiro essas mulheres e até sinto pena delas.
Me pergunto "por que quiseram ter filhos se não têm o fator primordial para serem mães: tempo"
Sim, tempo é essencial.
O tempo que você passa penteando o cabelo é curto e necessário para que sua filha pegue a escova e tente te imitar diante do espelho. O tempo que você passa fazendo uma refeição mostra aos seus filhos como sentar, como pegar o talher, como é o ritual que você segue... isso é a herança que você nem percebe que deixa, mas deixa.
Mas se você não está lá, eles vão aprender com os outros e serem iguais aos outros e um dia você vai olhar para aquelas crianças, que sairam do seu ventre, mas não vai reconhecê-las.
Ser mãe é mais que pagar contas.
Aliás, ser mãe não tem nada haver com pagar contas.
Tem haver com tempo, com exemplo, com orientação.
Ser mãe não é ter "tempo de qualidade"... é ter tempo e só.
Se você não tem tempo, então faça um favor para a humanidade no futuro: não tenha filhos.
Porque eu vejo crianças mal educadas, birrentas e consumistas em todos os lugares e basta olhar para seus pais, passivos e apáticos ao lado para saber que se trata de pessoas sem tempo, que passam a semana trabalhando e delegam a educação de seus filhos para a escola, para a babá, para a avó...
Nenhuma dessas pessoas tem obrigação de dar educação às suas crianças, por isso elas não tem obrigação de serem educadas.
E os papais e mamães de fim de semana não querem se estressar, no dia de descanso, tentando educar.
É isso que eu vejo e sinto, e lamento se ofendi alguém, mas eu realmente acredito que seus títulos e diplomas podem até torná-la uma excelente profissional, mas não farão de você uma boa mãe.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Day Spa

O sexto mês de gestação é onde as coisas realmente acontecem... você ganha peso, suas costas doem e suas emoções ficam a flor da pele. Por isso, nada melhor que agendar um day spa, não é mesmo?
Porém... lá vou eu com meus poréns... não é barato e nem sempre é legal.
A maioria dos day spas se concentram nas massagens e banhos e, sinceramente, grávida precisa de mais que isso. A gente quer se cuidar, ficar relaxada e linda. Por isso até agora não encontrei nenhum que me agradasse e valesse meu dindin.

Basicamente eu gostaria de tirar um dia para:
- Hidratar pele e cabelo
- Fazer as unhas
- Massagem relaxante (lógico)
- Banho de ofurô
- Yoga ou Pìlates (sou da turma do pilates rsrs)
- Uma bela, equilibrada e saudável refeição
- Tirar uma soneca

Pronto, seria o dia perfeito!
Só que não. Não tem. Nem adianta procurar.
Aliás, se eu tivesse grana pra investir num negócio seria exatamente nesse: day spa exclusivamente para gestantes a partir do sexto mês.


terça-feira, 26 de agosto de 2014

Dor.

Essa semana completei 22 semanas e comecei a sentir uma dor bem incômoda na região da virilha.
Dói quando ando, quando sento, quando levanto e até quando estou deitada.
Deu uma googlada (eu sei que essa palavra não existe), e descobri que é o corpo trabalhando para o parto. É como se os ossos do quadril/bacia estivessem se afastando para facilitar a passagem do bebê.
Juro por Deus que não me lembro de ter sentido isso na gravidez da Malu.
Fora isso está tudo normal: enjôo matinal, azia pré e pós alimentação, roupas que não servem e resistência em pagar $200 por uma calça que será usada apenas por 8 ou 10 semanas.
E vamo que vamo.

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Nomes de bebês

Quando fiquei grávida da Malu não houve quem não soubesse que aquele bebê se chamaria Maria Luisa. E ninguém comentou ou contestou minha escolha, já que Luisa era o nome da minha avó.
Mas agora, com a Nina, sinto que as pessoas não gostaram da escolha.
Nina é o apelido que Malu deu a irmã que irá se chamar Maria Helena.
Oras, eu acho Waldisney e Lorraine feio, mas se é desejo da mãe, quem sou eu para questionar, não é mesmo?
Mas com a Nina tenho que ouvir críticas e piadas: "foi o Manuel Carlos quem escolheu esse nome?"
Não, não foi. Mas nós dois gostamos do nome, da força de seu significado e, por que não dizer, das histórias das Helenas que marcaram a história da humanidade.
As duas mais famosas foram, Helena de Troia e Santa Helena de Constantinopla, ou simplesmente, Santa Helena.
Uma, virou santa.
A outra, virou guerra.
As duas tiveram coragem de dirigir suas vidas num momento em que mulher mal podia opinar.
Elas foram além.
Viveram suas paixões, realizaram suas vontades e são lembradas por isso.
Helena, pra mim, é nome de mulher valente. De mulher determinada.
Minha irmã chegou a dizer que era um nome "esquisito" e eu me pergunto: o que tem de esquisito em se chamar Helena?
Antes de engravidar eu já sabia que, se tivesse outra menina, seria Maria. E ponto final. O que faltava era o complemento, o segundo nome...
Por algum tempo pensamos em Valentina e Clara, mas o nome do seu filho tem que ser mais que o nome da moda. Tem que tocar seu coração porque simplesmente vai acompanhá-lo para toda a vida.
E foi esse o peso maior quando Helena surgiu.
Em alguns dicionários de bebês (e eu li muitos) Helena significa "tocha". Luisa significa "luz".
Eu achei essas definições lindas... combinam. Se completam. Assim como eu quero que minhas meninas sejam: que se completem.
Gosto da minha escolha e estou feliz com isso.
É lógico que esse nome não vai agradar a todos, mas quer saber? Me agrada. E eu, como gestante, me dou ao direito de ser egoísta e não me importar com as vontades, opiniões e palpites alheios.
Carrego dentro de mim uma Helena.
Mais uma mulher guerreira.
Mais uma fonte de luz pra minha vida.

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Manchas na pele

Aconteceu na gestação da Malu e a história se repete agora, com a Nina.
Lá vem as manchinhas no rosto, conhecidas como melasma, que não são "a treva", mas incomodam muito. Depois de um tempo elas somem, mas é sempre bom cuidar para que nada de pior aconteça;

Pensando nisso, e muito incomodada com as manchas, fui ver minha dermatologista essa semana, Dra. Karen (Spa Kauai - em SP) e ela passou um produto que eu já havia ouvido falar, mas nunca havia usado. O ácido azelatico, ou simplesmente, o AZELAN.

Segundo encontrei fuçando na internet: "Ele é indicado para acne vulgar, leve e moderada; hiperpigmentação pós-inflamatória; e é uma opção terapêutica para o melasma na gravidez. "

Vamos ás informações básicas do produto:

AZELAN é um ácido, porém pode ser utilizado na gestação. Ele, basicamente serve para combater acnes, mas também atua como clareador. Não se animem, a coisa não funciona da noite para o dia, é todo um tratamento que começa a dar os primeiros resultados depois de dois meses (só estou usando há 2 dias, mas estou animada).

Pode ser usado no rosto e no corpo (para clareamento você pode usar na virilha e axila) ;

E pra coroar os benefícios, ele ainda é usado para prevenir pequenas rugas causadas por fotoenvelhecimento.
Não é demais?

No site Dicas de Mulher eu encontrei essas informações e achei bacana compartilhar:

Como o produto age na pele

Para cada finalidade, o produto age de forma diferente:
Acne: tem ação antibacteriana, inibindo a bactéria que coloniza lesões inflamadas da acne; é comedolítico, ajudando a diminuir os comedões (cravos); tem efeito anti-inflamatório e secativo.
Melasma: é uma opção para o clareamento do melasma e a primeira opção para o tratamento do problema na gravidez.
Hiperpigmentação pós-inflamatória: age na pigmentação através da inibição da enzima tirosinase, que é fundamental no processo da pigmentação e formação do pigmento melanina.
Fotoenvelhecimento: tem pequena ação esfoliante e, por isso não é a primeira opção para rejuvenescimento. Ele é utilizado nessa finalidade quando também há manchas na pele.
Ele pode ser vendido em creme ou gel (minha dermo me recomendou creme) e o preço varia um pouco, entre 40 e 50 reais, mas encontrei na Ultrafarma por R$43,41 e na Netfarma por R$43,33;

Nunca, jamais usem medicamento sem prescrição médica, ainda mais se você estiver gravidinha.
Sempre vale a pena consultar um dermatologista.

Bjs.

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Carrinhos de bebê

Gente, olha isso:
Fui apresentada a essa gracinha no último domingo, enquanto passeava pelo shopping.
Me apaixonei!

Vamos a descrição do fabricante:

Tecnologia, design e funcionalidade aliados em um único produto. O carrinho Elea Bébé Confort possui dois tipos de fechamento (para o dia a dia e para guardar), assento reversível e reclinável tipo berço com estrutura rígida e interior amplo e super confortável.  Inclui capota, adaptador para a sombrinha Parasol, trava de movimento de rodas ao alcance das mãos, freios centralizados eamplo cesto de conveniência. Rodas largas com suspensão. Travel System moduloclip?com cores coordenadas com o Moisés Windoo Plus e o bebê conforto Streety.fixBébé Confort. Tudo para facilitar o dia a dia de pais e filhos, do nascimento aos 3,5 anos de idade.

Aqui tem mais informações e fotos.

Claro que eu fiz um test-drive na loja e achei perfeito... a não ser por um ou dois percalços.
O primeiro deles (e fator determinante) é o preço.
Essa belezinha não sai por menos de 1500,00 (eu procurei no Bondfaro). Isso é muuuuuito dinheiro pra um único carrinho. E, a segunda coisa, esse preço não inclui o bebê conforto (item de segurança essencial pra sair da maternidade com seu filho nos braços se você voltar de carro pra casa)

Então... acho que não vai ser o eleito.
Mas continuamos a saga em busca do carrinho perfeito. Assim que encontrar outro eu posto aqui.

Bj,

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

O que não comer durante a fase de amamentação

Malu teve muitas cólicas, muitas mesmo! Era desesperador ver minha filha chorando, com dores. Daí vinham os conselhos: funchicória, chá, massagem, banho morno, dormir deitada sobre a minha barriga... fizemos tudo, absolutamente tudo, mas infelizmente nada resolvida.
Eu amamentei super pouco, só por 2 meses e em seguida ela começou a tomar a tal fórmula (Aptamil) até quase 2 anos de idade...
Dessa vez quero fazer tudo diferente. Eu quero amamentar a Nina, quando nascer e, pelo menos até 6 meses (quando volto ao trabalho) e não quero que ela tome nenhuma fórmula, nem nada dessas coisas industriais.
Já estou me preparando desde o começo da gestação, mas sei que a alimentação vai ter que ser absolutamente controlada depois do nascimento da minha filha.
Por isso sempre leio essas matérias e quero compartilhar com vocês.

http://bebe.abril.com.br/materia/alimentacao-e-amamentacao-o-que-comer-e-o-que-evitar

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Dica para lidar com o sono dos bebês

Vi essa reportagem na Folha e achei super interessante, por isso vou reproduzir aqui as dicas de Mariana Zanotto Alves, doula (de parto e pós-parto), coach life e nanny;

VEJA ABAIXO MITOS E DICAS DE MARIANA SOBRE O SONO DOS BEBÊS

MITO: Deixar o bebê acordado por mais tempo para ele dormir até mais tarde. “Isso só irrita o bebê, que produz mais hormônio da atenção para ficar acordado e fica mais difícil acalmá-lo depois.”

MITO: Achar que o bebê tem que seguir desde cedo o ritmo da família e dormir em qualquer horário e lugar.

MITO: Esperar que o bebê acorde tarde para os pais dormirem mais. “Bebês costumam acordar entre 5h e 7h. O bebê que acorda às 5h, vai acordar nesse horário mesmo que durma às 17h, 22h ou meia-noite. O bebê deve primeiro aprender a dormir a noite toda para depois ser treinado a acordar mais tarde”

Dica: Bebês que acordam às 7h devem ir dormir às 19h. “Como ele vai acordar nesse horário mesmo deitando tarde, é melhor colocá-lo para dormir mais cedo. Assim ele vai sendo treinado para ter uma noite inteira de sono.”

Dica: Se o bebê que costuma acordar às 7h atrasar o horário, o pai deve acordá-lo. “É preciso seguir a rotina dele.”

Dica: O bebê deve tirar sonecas durante o dia (cuja quantidade e duração variam de acordo com a idade).

Dica: As sonecas não devem durar mais de duas horas (contando o tempo que levou para fazê-lo dormir) e não devem ser tiradas depois das 16h. “A soneca é um treinamento para a criança dormir à noite. É um momento para descansar. Crianças que não dormem ficam cansadas.”

MITO: Sonecas diurnas devem acabar a partir do 3° ano. “As sonecas podem ser mantidas até o 7° ano.”

Então é isso.
Bons sonhos pra todas nós!

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Montanha-russa de emoções...

Todo mundo sabe que durante a gravidez os hormônios dão voltas de deixar qualquer um louco... pois é, depois de entrar na vigésima semana eu entrei numa montanha-russa... e não tá legal.
Ora estou feliz que nem pinto no lixo, em seguida entro numas de chorar com música romântica e cena de novela.
Especialmente hoje estou deprimida... tive uma discussão imbecil no trabalho e levantei a voz... depois fiquei arrasada por isso, mas não pedi desculpas porque, apesar de ter elevado o tom, meus motivos eram válidos.
Enfim, no fim do dia fico enlouquecida com o que a Nina pode estar sentindo quando eu fico desse jeito.
Pra piorar, fucei na internet sobre estresse na gestação e encontrei muita (muuuuita) coisa.
Resolvi colar uns links aqui pra quem quiser ter uma ideia:

http://bebe.abril.com.br/materia/depressao-na-gravidez

http://www.terapeutadebebes.com.br/2010/04/mmamae-estressada-pode-estressar-seu.html

http://www.abcdagravidez.com.br/2013/10/o-que-o-bebe-sente-dentro-da-barriga-da.html

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Carrinho de bebê

Tem coisa mais confusa do que um carrinho de bebê?
Sério, são tantas funções, opções, ofertas que você simplesmente confunde tudo, fica em dúvida e, quase sempre, compra um que acaba te decepcionando.

Quando Malu nasceu nós compramos um da Galzerano Travel System. Foi caro. E era quase perfeito, não fosse pela função "reversível" ser um horror. As rodas traseiras eram fixas e quando você virava o "braço" do carrinho para deixar o bebê olhando para você elas perdiam a função de 360° e você simplesmente não conseguia fazer curvas com ele. Ou seja, para o bebê ficar de frente para a mãe, só com o carrinho parado.
Ficamos com esse modelo menos de 6 meses e vendemos para comprar um modelo guarda-chuva. Esse, sem função reversível, porém muito mais leve e fácil de abrir e fechar.

Agora, a espera da Nina, lá vou eu denovo fuçar a internet para escolher o carrinho perfeito.
O problema é que minhas exigências aumentaram nos últimos cinco anos e, com elas, o preço do dito-cujo.

Ainda não vou postar sobre carrinhos, só vou escrever sobre o que eu quero de um carrinho, então vamos lá:

- Assento reversível : desse modo posso virar o bebê para mim, sem perder as funções das rodas.
- Modo moisés: não quero um carrinho cuja base possa ser utilizada com moisés, até porque não tenho espaço em casa para tantas coisas. Tem que ser um carrinho cujo assento se transforme em um moisés para eu colocar a Nina recém nascida com maior proteção.
- Quatro rodas: aí vem o X da questão. Os carrinhos que encontrei que tem assento reversível e viram moisés só tem 3 rodas... acontece que tenho verdadeiro PAVOR desse tipo de carrinho, porque não vejo estabilidade alguma nesse formato.
- Leve e fácil de abrir e fechar. Até porque nenhuma mãe quer se estressar quando sair com o bebê para dar um passeio, né?
- Bonito: lógico! Não adianta ser maravilhoso e parecer um tanque de guerra. Tem que ser bonito, delicado e moderno.
- Tem que ter no Brasil: até porque comprar no exterior pode ser barato, mas pagar o imposto aqui é uma facada e ninguém quer gastar mais que o necessário em qualquer aquisição, né?

Então é isso... no próximo post eu coloco os modelos que mais de agradam e faço uma pequena avaliação.

Bj e até lá.


quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Coisa de grávida

Quando a gente fica grávida a primeira vez, vem um monte de dúvidas, medos, um certo desespero tanto pela gestação quanto a chegada de um novo membro da família. Afinal, é como todo mundo diz: a vida nunca mais será a mesma.
E não é. Muda ainda dentro da barriga e muda totalmente.
Na gestação da Malu eu fiquei muito mal, praticamente doente (apesar de dizerem que gravidez não é doença, eu sofri tudo que você possa imaginar) e vivia mais no hospital do que em casa.
Além dos 9 meses de sofrimento, na hora do parto passei mal e acabei na UTI.
Resultado: fui a última pessoa da família a conhecer minha filha.
Agora é diferente, apesar dos enjoos ultrapassarem a linha do primeiro trimestre, eu me sinto muito bem e mais disposta que na primeira vez. Mas os medos e dúvidas são exatamente os mesmos da primeira vez.
Não adianta, toda mãe passa por isso. Porque esse é o primeiro momento da vida dos nossos filhos em que sentimos na pele que não dá pra controlar. E é onde a gente aprende que, o que não dá pra controlar, a gente pede a Deus que cuide.
Enfim, estou me preparando para o morfológico de 20 semanas. Sei que está tudo bem com minha Nina, sei que ela é linda a perfeita, mas sabe... sou mãe. E peço à Deus para cuidar da minha gestação, desse bebê dentro de mim e da minha Malu, que é meu grande primeiro amor.

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Sobre azia e outras coisas

Primeiro vem os enjoos matinais (ás vezes não são apenas matinais) e depois você sente dores de cabeça e inchaço nos pés e lá pela vigésima semana ela aparece: a azia.
Sim, as primeiras impressões da maternidade são incômodas, mas também são incríveis. Porque é nesse período que você pode sentir seu bebê mexer.
E é bom demais!!

Aproveite para cantar para seu bebê a música de vocês dois.
Eu tenho a trilha sonora da Malu: Yellow, do Coldplay.
Para Nina eu ainda estou escolhendo, mas canto de tudo. De Paula Fernandez a AC/DC nós estamos experimentando nossas canções.

Ser mãe é algo que vem do coração, não do ventre.
Então seja mãe ainda que não possa ver ou pegar seu bebê no colo.
Seja presente na vida dele, através de carinhos na barriga, canções de ninar, conversas no trânsito... deixe seu bebê perceber que é parte de sua vida. Tenho certeza de que ele vai dar um jeito de te mostrar que você também é parte da vida dele.

sexta-feira, 25 de julho de 2014

O parto

Mas, Mariana, não é muito cedo pra falar de parto??
Sim, é cedo. Mas tive uma conversa hoje com uma amiga que está com 38 semanas de gestação e resolvi postar alguma coisa a respeito.
Vou começar dizendo que não sou defensora de nenhum tipo de parto. Acho até que já falei isso aqui, mas estou reforçando minha opinião. Eu defendo que mãe e filho fiquem bem, durante e depois do procedimento.
Infelizmente algumas pessoas simplesmente cismam com a forma de parir e não com o resultado em si.
Já vi mulher levantando bandeira pelo parto normal/vaginal inclusive acusando a mãe que faz cesárea de não ser mãe. Já ouvi mulheres defendendo a cesárea como forma inteligente e moderna de pôr um filho no mundo. E pra dizer a verdade nunca compreendi nenhuma das duas.
E eu aprendi com minha primeira gestação que o importante é o bebê.
Essa semana nasceu o filho de um colega de trabalho. A mulher queria porque queria parto normal e não aceitou os conselhos médicos, mesmo depois de 42 semanas. Resultado: o bebê comeu mecônio, teve problemas pulmonares e está na UTI.
Isso pra mim, definitivamente, não é normal.
O que eu quero, o que eu penso, o que eu sonho vem em segundo plano.
Se minha filha decidir nascer de parto natural/normal/vaginal, ela virá e será o dia mais feliz da minha vida.
Mas não vou bater o pezinho e fazer birra se algo acontecer e eu tiver que fazer uma cirurgia.
Sério, não vou morrer de culpa, não vou achar que a anestesia vai deixar meu bebê letárgico, nem vou ficar chorando pelos cantos me sentindo a pior das mães porque meu bebê não passou pela minha vagina.
Enfim, me critiquem, eu não ligo. Minha opinião é essa.

sábado, 19 de julho de 2014

Por banheiros familiares e trocadores nos banheiros masculinos

Sabe aquela sensação desagradável quando você vê um homem entrar no banheiro masculino acompanhado de uma menininha? Não é só sua, mas dele também. E sabe por que ele faz isso? Porque é pai de menina e quando menina pede pra fazer xixi não dá pra mandar ela baixar a calça e colocar o pipi de fora.
Ok, parece exagerado, mas se não colocar a situação de forma exagerada, ninguém entende!!
Meu marido passa por esse drama há 5 anos.
Toda vez que sai sozinho com a Malu e ela pede pra ir ao banheiro ele entra numa busca desesperada por um banheiro familiar, onde ele possa acompanhá-la. Alguns estabelecimentos grandes, shoppings ou supermercados em São Paulo até tem, mas sabemos que isso não é comum em outras cidades. E nem sempre ele está perto de um shopping ou supermercado. Ultimamente ele montou um esquema de segurança. Fica parado na porta do banheiro esperando, mas isso porque ela tem 5 anos. Quando mais nova o drama era maior, porque não dá pra deixar uma menina de 2, 3 anos entrar no banheiro sozinha e muito menos pedir a ajuda de uma pessoa estranha. Afinal, não está escrito na testa de ninguém se a pessoa é boa ou má.
E tem aquele caso do cartunista Laerte, que agora se veste de mulher e usa banheiro feminino em restaurantes (melhor nem comentar). Oras, minha filha então pode entrar no banheiro feminino com Laerte, mas não pode com o próprio pai???
Enfim, hoje eu conheci através do site da revista Crescer um pai, blogueiro que também sofre desse drama. Sim, para nós é um drama!!! E ele lançou uma campanha por mais banheiros familiares ou trocadores nos banheiros masculinos. E como mãe de duas meninas eu estou aqui apoiando a ideia e participando da campanha!
Campanha do Janela Laranja para mais banheiros familiares e trocadores de fraldas nos banheiros masculinos
Clica lá, conheça o site, o autor, a campanha. E divirta-se com um blog cheio de dicas bacanas para papais e filhinhos... A janela laranja

terça-feira, 15 de julho de 2014

17 semanas

Depois de passar muito perregue, agora a coisa virou de vez.
Não sinto absolutamente nada.
Nada.
Na verdade isso me deixa absurdamente preocupada, porque eu não me sinto grávida.
Engordei 4 quilos, mas não estou com barriguinha de grávida, apesar de estar com quase 5 meses.
Estou é gordinha mesmo. Com duas dobras na barriga, uma em cima e outra embaixo do umbigo que demostram que a mamãe aqui precisa urgentemente de dieta.
Não sinto o bebê mexer (até porque é cedo demais), não enjoo mais (o que é relativamente bom), nem sinto mais dores (o que é excelente), mas isso tudo é tão preocupante e surreal que tenho medo, ás vezes, de ter uma surpresa ruim... enfim....

Mas vamos ás boas notícias.
Fiz um ultrassom com 16 semanas e 1 dia e descobrimos que estamos esperando outra menininha!!!
EEEEEE!!!
Uma irmãzinha pra Malu.
E vamos dar a ela o nome de Helena.

Aliás, a próxima consulta é só com 20 semanas, quando, provavelmente o médico vai pedir o novo ultrassom morfológico.

Enquanto isso, estou curtindo as férias - dormindo e comendo (ai, Jesus, por isso estou ganhando peso!!)
Mas vou controlar minha boca. Resolvi fazer um dietazinha essa semana, cortar pães e massas - nada radical, afinal estou grávida. Mas dar uma enxugada no cardápio não vai matar ninguém.
Meu intuito é perder 2kg e ver se a gordura abdominal some e dá lugar à barriguinha de grávida.

Até logo.

PS: a Copa do mundo terminou no domingo e a Alemanha foi campeã em cima da Argentina. O Brasil perdeu o terceiro lugar para a Holanda no sábado, somando 10 gols tomados em 2 jogos. Uma vergonha.

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Progesterona na gravidez

Depois de ir ao hospital e ser medicada, tive uma consulta regular com meu G.O. Lá, apresentei os dois ultrassons que tinha feito (um na emergência do hospital e o outro morfológico de primeiro trimestre) e ele disse que os dois estavam normais, e a gestação estava indo muito bem.
Fiquei aliviada, mas insisti que ainda sinto dores incômodas. Ele, então sugeriu que eu fizesse repouso absoluto durante dez dias e tomasse toda noite uma medicação chamada UTROGESTAN.
E foi aí que minhas preocupações voltaram à tona.
Nunca, jamais, nem nos momentos mais dolorosos da minha existência eu tomo um remédio sem ler a bula antes. E dessa vez não foi diferente. E eis que não fiquei nem um pouco satisfeita - só que ainda não sei se com a bula do remédio ou com o discurso do médico.
Vamos a um dos trechos iniciais:

"Utrogestan - Indicações

Distúrbios da ovulação relacionados à deficiência de progesterona, como alterações do ciclo menstrual e amenorréia secundária (ausência de menstruação). 
Insuficiência lútea (diminuição de progesterona na segunda fase do ciclo). 
Deficiência de progesterona, na pré-menopausa e na reposição hormonal da menopausa (como complemento à terapia com estrogênio). 
Por via vaginal, Utrogestan® é indicado também na implantação do embrião e manutenção da gravidez durante o primeiro trimestre"


Oras, se os ultrassons estão normais, a gestação vai bem e as dores são por causa do útero expandindo, por que ele me deu uma medicação a base de progesterona para segurar a gravidez?
Antes que me digam "porque é necessário" vou voltar à linha onde eu descrevi que ele disse que tava tudo bem.
Se tem uma coisa que eu odeio nos médicos é essa mania que eles tem de achar que nós, os pacientes, não precisamos saber o que está havendo. Abre o jogo comigo: meu bebê corre riscos? Eu corro riscos? Quais riscos? Pois além de ter dito com um sorriso que está tudo bem ele ainda não disse por quanto tempo devo(eria) tomar essa medicação... oras, será até o final da gravidez? É tão grave assim? E se é grave, por que não fala de uma vez?
Enfim... entre a decepção de não ter meu primeiro G.O nesse convênio e a frustração de ter um novo G.O que não se comunica comigo, marquei uma nova consulta com outra G.O para amanhã.
Vamos ver se agora a coisa vai.
Amanhã eu conto.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

15 semanas: Dor.

Há dias venho sentindo dores, como cólicas, que não cedem nem com buscopan.
Já procurei o hospital, fui medicada, fiquei de respouso. Os médicos disseram que é normal, pois o útero está se expandindo... mas eu já estive grávida uma vez e não me lembro de sentir essas dores.
Tudo bem, já faz cinco anos... mas será que a gente esquece a dor que sente??

Venho trabalhar todos os dias e quando a dor aperta tomo buscopan.
Hoje tenho pré natal e vou conversar direitinho com meu G.O. porque estou preocupada e absolutamente incomodada com isso.
Toda hora vou ao banheiro me certificar de que não estou sangrando... estou com muito, muito medo.

domingo, 15 de junho de 2014

3 meses

No começo da semana me senti mal, tive cólicas fortes e fui parar no PS. Fui medicada, orientada e fiz um ultrassom. O bebê está forte e o ultrassonografista disse que há grandes chances de ser menina! Fiquei super feliz, porque eu amo ser mãe de meninas.
Na quinta, estréia da Copa do Mundo e do Brasil em campo, fiz o morfológico. Graças a Deus nosso bebê é perfeito, saudável e está com 6 cm. Uma laranjinha!
Descobri que contamos a semana errado... estou com 3 meses completos. Ou seja, o bebê não vai nascer no natal e sim 1 semana antes.
FASE DA GRAVIDEZ: Com 3 meses sua cintura definitivamente some, mas sua barriguinha ainda não aparece. Hora de abandonar as calças jeans, mas ainda é muito cedo para as batas e calças de gestante. A saída mais fácil e econômica são os vestidos.
Sinceramente tenho pensado em cortar definitivamente alguns alimentos, pois me sinto gordinha mesmo e não quero ganhar muito peso nessa gestação.
O problema é que sinto fome...
Os enjoos passaram (Graças a Deus) e estou me sentindo mais disposta, apesar de sentir dores de cabeça matinais.
Enfim, minha preocupação está mesmo com o que como... estou pensando em anotar tudo num caderninho e ir excluindo os excessos aos poucos, até chegar a um cardápio ideal pra mim e para o bebê.
Vamos ver como fica...

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Peso na gravidez

Quando eu me descobri grávida pesava 56.5kg
Hoje, com 12 semanas e 5 dias de gravidez, estou com 59.7 kg.
Não estou satisfeita, porque acho que engordei demais. Eu entendo que "na média" a grávida ganha 1kg por mês, ou seja, 9kg nos nove meses, porém como já tive uma gestação sei bem que o ganho de peso mesmo vem depois do segundo semestre, o que me deixa meio apavorada.
Sinceramente morro de medo de ganhar 15, 20 kg no final da gestação como vi acontecer com muitas mulheres, famosas ou não. Até porque tenho mais de 35 anos e perder peso e manter a forma na minha idade requer um esforcinho extra, que não vou poder fazer por muito tempo.
Enfim, é vaidade, mas também é por bem-estar.
Por isso decidi dar uma enxugada no cardápio. Cortar arroz, massas e pães brancos. Investir mais em leguminosas e hortaliças e, lógico, beber mais de 2 litros de água todos os dias.
Se meu plano der certo, termino essa gestação com, no máximo, 63kg, ou seja 7kg a mais do que quando descobri a gestação. Esse cálculo não veio do nada. O bebê precisa pesar, aproximadamente 3 kg. A placenta e água retidos nela devem somar uns 3 kg também. E 1kg é de leite (aliás, depois eu falo sobre o tamanho e a dor que sinto nos seios)
Desafio lançado.
Nutricionista acompanhando.
E vamo que vamo!

sexta-feira, 30 de maio de 2014

Enjoada, eu??

Normalmente os 3 primeiros meses de gravidez são os piores.
Você sente dores nas mamas, enjoos diários, tonturas e dores de cabeça... é bem sacrificante.
Mas na minha primeira gestação os enjoos não ficaram só no primeiro trimestre... foram nove meses de vômitos diários. A coisa era tão séria que eu não engordei, minha barriga de 9 meses parecia a de 6 meses de uma mulher que não sofre do mesmo mal;
E agora parece que não é diferente. Cheguei a engordar 500 gramas, mas já emagreci 2kg. Os enjoos não são apenas matinais, a cada coisa que eu como me dá náuseas e tenho que fazer um exercício respiratório para não sair correndo para vomitar.
É bem desagradável.
Mas também é a única forma que tenho de saber que meu bebê está aqui comigo... afinal, ele é tão pequeno ainda que não dá pra senti-lo.

quinta-feira, 29 de maio de 2014

Moda ge$$$tante

Você está grávida. Vivendo as delícias, e alguns desconfortos, nessa fase tão linda da vida de uma mulher.
Mas também é uma fase cara... você precisa montar enxoval, reformar a casa, comprar milhares de objetos absolutamente necessários (carrinho de bebê, cadeirinha para o carro) e como se não bastasse, suas roupas não te cabem mais. Precisa comprar novas. E aí você toma um susto!

Uma calça de gestante não custa menos de R$ 200,00
Uma bata não sai por menos de R$ 60
E é claro que você não vai passar a semana com uma única calça e uma única bata.

Não sei se é o mercado brasileiro, os impostos, o PT... só sei que uma peça aqui custa quase 6 vezes mais que no exterior. E é claro que se você for comprar uma calça que vai ser usável por 3, 4 anos tudo bem pagar R$ 200... mas uma calça de grávida lhe é útil por, no máximo, 4 meses (enquanto a barriga está grande).
Algumas mulheres (acredito que a maioria) simplesmente usa as mesmas calças jeans de antes, com cós baixo ou calças legging e de moletom. A auto-estima vai pro ralo, porque parece que você está saindo de pijamas pra trabalhar... mas num país onde mais de 40% da população depende de auxílio do governo pra viver, uma gestante não tem como se vestir como gestante com esses preços impraticáveis.

Sim, eu me revolto! Porque não sou a única grávida do mundo com vaidade.
E acho que todas as mulheres merecem se sentir lindas no momento mais lindo da sua vida.

Plano de parto

Quando Malu nasceu, há 5 anos, não sabia da existência de um plano de parto. Para dizer a verdade, minha relação com meu médico era tão boa que ele e eu concordávamos que o parto deveria ser um momento sublime e que meu bebê deveria receber os melhores cuidados.
Tanto foi assim que Malu só foi separada de mim porque EU tive complicações e acabei indo parar na UTI.
Hoje em dia vejo tanta gente falando em Plano de Parto que resolvi pesquisar e olha que surpresa! O plano de parto é um documento que a gestante faz detalhando o que ela quer na hora do nascimento do seu bebê. Oras, mas isso não deveria ser de comum acordo entre ela e seu médico de confiança?
Gente, eu não estou criticando o Plano de Parto, mas estou questionando a relação médico/paciente, sim!
Que tipo de relação essas pessoas têm durante nove meses (no meu caso, muitos anos, pois meu obstetra é meu ginecologista e eu me consulto regularmente todos os anos) para que seja necessário um documento explicando item a item o que a gestante quer.
Fiquei assustada, sim.
Enfim, estou de 10 semanas, ainda é cedo para pensar o que vai ser na hora H, mas eu não precisei de plano de parto na primeira vez e pretendo não precisar agora.
Acho que se você confia no seu médico, não tem o que temer.
Tudo vai dar certo.

domingo, 25 de maio de 2014

estar grávida

Estar grávida é uma bênção.
É mágico.
Você está carregando uma vida em seu ventre... uma pessoa de verdade. Uma pessoa que, quando sair, vai se desenvolver, ter suas impressões, formar suas opiniões... ou seja, o filho dentro de você não é uma extensão de você. É um ser tão individual e independente que, mesmo no útero, já impera.
E disso eu entendo...
Meu bebê está com quase 10 semanas, mas eu já sei do que gosta e do que não gosta.
Por exemplo: não curte pasta de dente sabor menta, não gosta de base com perfume e detesta peixe... sim, queridos, baste eu me deparar com o cheiro ou gosto dessas coisas e PLAFT!! Náuseas na certa.
 Fonte: bebe.com.br

Então o jeito é ir se adequando, evitando alimentos, quando a barriga crescer, atentar mais pras posições na hora de sentar e deitar.
Mas mesmo com alguns enjoos, preguiça, sono, irritabilidade, prisão de ventre e intolerância alimentar, não tem nada mais lindo e emocionante que gerar um filho.
E eu estou amando estar grávida denovo.
E estou ansiosa pra ver meu bebê no próximo ultrassom, ouvir seu coraçãozinho bater forte e saber que ele está saudável, perfeito, crescendo protegido e feliz =D

terça-feira, 20 de maio de 2014

9 semanas

Me descobri grávida com 6 semanas, mas só consegui fazer o ultrassom com 7.
Ainda não sei o sexo, mas sinceramente, torço pra ser outra menininha (porque AMO o universo feminino!)
Meu bebê tem 5 mm e parece uma ervilha (palavras da ultrasonografista).
Malu está radiante, feliz da vida por ser "promovida a irmã mais velha" e conversa com a barriga o tempo todo.
O G.O que fez o parto da Malu não atende mais meu convênio e, apesar de eu me dar superbem com ele, a consulta é uma facada e eu não estou podendo... sem contar que preciso reformar o quarto da Malu pra chegada do novo bebê e fazer todo o enxoval... sem contar que eu ainda não sei quanto custa o parto!! Enfim, o jeito é procurar outro médico.
Aliás, marquei consulta com o primeiro candidato para sexta-feira agora.
Gente, eu leio tanto, em tantos lugares sobre parto natural e parto normal... sinto que há um movimento intenso pra convencer a mulherada que se você não tem filho vaginal, você não é mãe, que eu to apavorada.
Sinceramente, Malu nasceu de cesárea e foi ótimo pra mim (eu tive pressão alta no final da gestação e acho que foi mesmo a melhor opção pra nós duas) e juro que morro de medo de episiotomia (e nenhum médico no planeta vai garantir que não vai fazer isso na hora H).
Enfim, sendo absurdamente sincera, eu não tenho coragem de tentar parto normal.
Devo me sentir culpada por isso?

segunda-feira, 5 de maio de 2014

Grata surpresa

Oi gente.
Preciso contar algo incrível que descobri no último dia 1.
Estou grávida!!!
Enfim, tive aquele problema com a coluna que me deixou de cama, depois disso comecei a tomar remédios para dor e me sentir muito enjoada, muito mesmo... ao ponto de correr pro banheiro de madrugada com náuseas. Mas eu achava que tudo era do remédio então parei de tomar e passei a suportar a dor, mas o enjoo continuou. Até que no dia 01/05 eu pedi para meu marido comprar um teste de farmácia.
Ele ficou indeciso, fez contas e disse: eu acho que você está grávida mesmo, bem. (ele advinhou a primeira gravidez antes que eu começasse a passar mal)
Mesmo assim eu quis fazer o teste;
Nem precisamos esperar os 5 minutos que pede a caixinha. Imediatamente apareceram dois pauzinhos mostrando que SIM!!!
Estou animada, preocupada (por que fiz ressonância) e muito, muito ansiosa (notei que comecei a comer demais nesses dias... preciso me controlar!!)
Enfim, ainda não sabemos de quanto tempo estou. Estamos esperando o primeiro ultrassom, que faremos dia 12/05;
Ai, rezem por nós... estou muito aflita com todo meu histórico de remédios pra dor, pilates, fisioterapia e ressonância... afinal, eu não sei quanto tempo esse bebezinho está aqui dentro e estou preocupada.
Depois da ultra eu volto pra contar.

terça-feira, 15 de abril de 2014

Pilates, Coluna e uma semana de repouso

Oi gente.
Vim aqui contar como passei os últimos dias... bem, foi de cama. Literalmente.
Então, como eu havia dito no post anterior, comecei a fazer pilates, tava sentindo muitas e muitas dores, mas como a instrutora de pilates e a minha fisioterapeuta são a mesma pessoa eu estava confiante de que as dores eram normais. Até notei mudanças no meu corpo, abdomén mais durinho, reto... tava ficando muito bom. E eis que, na terça-feira passada a coisa desandou.
Sabe quando você acorda sentindo dores, como se tivesse dormido de mal jeito?
Foi exatamente assim que eu me levantei na terça. Mas acreditei que era uma bobagem e melhoraria logo.
Enfim, não melhorei e a dor foi aumentando ao ponto de eu não conseguir mais pisar no chão.
Bem, eu estava no trabalho e resolvi ir ao ambulatório, pedir ao plantonista um remédio para dor. Mas estava praticamente me arrastando e precisei de ajuda de um colega para chegar lá.
Assim que me viu a médica pediu um carro para me levar ao hospital. Daí eu surtei.
Não quero! - e não queria mesmo. Se tivesse que ir ao hospital que fosse com um conhecido e não alguém que eu nunca havia visto na vida, ainda mais sozinha.
A coisa foi tão feia que a recepcionista do ambulatório chegou a me perguntar se eu estava fingindo dor pra fugir do trabalho... eu posso com isso?
Eu lá, morrendo de dor, sem conseguir pisar e ela querendo me empurrar para dentro de um carro com um desconhecido.
Sou cheia de frescuras e uma delas é exatamente essa: não entro em carro, sozinha, com desconhecido, nem se for pra salvar a vida da minha mãe. Esquece. Eu já fui vítima de assédio e não confio em estranhos. Aliás, mal confio em alguns conhecidos também.
Na mesma hora liguei pro meu marido e cinco minutos depois ele estava lá pra me pegar.
Fomos pro hospital e depois de ser examinada o médico decretou: pare com pilates.
Oi??? Mas pilates não é bom??
Ele nem discutiu, disse que eu estava destruindo minha coluna, que meu histórico já não era dos melhores e que eu deveria apenas fazer fisioterapia (o que me deixou chocada uma vez que eu faço pilates com a fisioterapeuta).
Bom, na manhã seguinte fiz ressonância e o resultado ficou pronto hoje.
Agora é levar para o ortopedista avaliar e dar seu decreto.
Por enquanto, repouso e nada de pilates.

quarta-feira, 19 de março de 2014

Lá vou eu...

Fiz duas aulas de pilates. É bom, mas dói. Quando tem que esticar a perna para encostar o pé na cabeça não é legal. Óbvio que eu não consigo fazer isso, mas não consigo convencer minha instrutora a desistir... então, eu continuo me esticando o máximo possível.

Adoraria que minha filha fizesse pilates. Parece muito uma aula circense, ás vezes. Se eu tivesse começado na adolescencia, seria a balzaquiana mais flexível do mundo!! (na minha cabeça kkk)

Eu meio que estacionei no peso. Continuo com 56,5kg, mas notei que duas calças minhas que ficavam apertadas na cintura já estão meio larguinhas. Fiquei feliz, claro! Mas juro que eu amaria mais se eu olhasse e visse a mudança.

Mas enfim... eu acho que esse ano ainda eu consigo!

Vamo que vamo!

sexta-feira, 14 de março de 2014

Pilates

E aí povo, beleza?
Estive ausente por N motivos. Um deles é meu celular, que caiu na água e morreu.
Daí perdi todos meus aplicativos, incluindo o da dieta.
O jeito é anotar tudo que como num papel e fazer cálculos mentais de culpa no fim do dia... não engordei (tenho me pesado diariamente), mas a balança oscila toda vez que subo nela (é daquelas digitais que, dependendo de onde você pisa o peso sobe ou desce), ou seja, não dá pra confiar.

Mas estou aqui para contar uma novidade... comecei a fazer pilates!
Deus, o que é isso? Loucura!!
Primeiro vem o choque de ver aqueles equipamentos, depois vem a ralação pra colocar coluna reta, barriga pra dentro, cabeça pra baixo, braço pra trás... Jesus me ajuda!!
Fiz na quinta passada. Na sexta eu estava numa boa, mas no sábado... gente, como dói. Perna, coxa, bunda... tudo dói. É impressionante.
Por enquanto fechei um pacote para 1x por semana, mas pretendo ir 2x quando estiver mais "elástica" e a dor não for tão intensa com os exercícios.

Gente, eu enlouqueci com essa cama... agora só sossego quando conseguir fazer igual a essa moça da foto #será??? kkkkk


terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Quase nada mudou

Estou vindo aqui para dizer que, infelizmente, quase nada mudou desde o último post.
Acho que estou vivendo aquele momento da dieta aonde você quase não perde mais peso, não muda muito sua silhueta e você desanima... acho que é nessa fase de caimos em tentação. Ando com uma vontade louca de comer brigadeiro de colher... tento me segurar, digo a mim mesma que a dieta está indo bem, mas sempre que me peso os números não mudam (o que não é totalmente ruim), mas  pior é que me sinto inchada.
Por exemplo, fui a um aniversário no sábado passado, controlei a boca mas comi o que tive vontade, em pequenas porções e escolhas inteligentes (não comi bolo porque não gosto tanto de bolo quanto de brigadeiro, por exemplo) mas mesmo assim quando me vi nas fotos me achei muito, muuuuuito gorda.
Poxa, to me restringindo há semanas, fazendo tudo direitinho e quando tem uma foto eu não me acho bonita. Isso não tá legal... mesmo que a balança ainda me diga que não engordei, a foto disse outra coisa.

Enfim, Deus me dê força... e me tire essa verdadeira adoração por doces, comidas gordurosas e cerveja.

Vamos a lição do dia: como tirar suas medidas
Você já fez? E fez certo?
Aqui vai uma ilustração pra ajudar nessa hora tão delicada...
crédito da imagem: Light in the Box